Publicidade

sábado, 20 de dezembro de 2014 Política | 10:31

Cubanos e castristas temem abertura econômica desenfreada

Compartilhe: Twitter

Noves fora o histórico anúncio de reaproximação diplomática dos Estados Unidos e de Cuba, feito na quarta-feira por Barack Obama e Raúl Castro – primeiro passo para o fim de um embargo de 53 anos –, a abertura econômica cubana para o capitalismo seguirá o mesmo modelo adotado nos últimos anos: lenta, segura e gradual.

Tem sido esta a política definida, exibida e executada desde que, no dia 18 de fevereiro de 2008, o lendário e chapa branca Granma, principal periódico do País, trouxe a carta de renúncia ao poder do “Comandante-em-Chefe” Fidel Castro, após quase meio século à frente do governo da ilha e havia dois anos já afastado na prática devido aos seus problemas de saúde. Uma semana depois, os deputados da Assembleia Nacional elegeriam o irmão mais novo de Fidel como novo presidente de Cuba.

O fim da União Soviética já forçara o país a uma radical reorientação de sua economia, buscando novas formas de inserção no mercado internacional – basicamente, o incentivo ao turismo e à iniciativa privada estrangeira para compensar a perda dos subsídios soviéticos. Com Castro, vieram a autorização para a atuação de alguns profissionais liberais, a compra de imóveis, automóveis, computadores pessoais e celulares, ampliação da atividade agrícola privada, além da abertura para que cubanos viajem ao exterior. A cada ano, pequenas mudanças. Graduais, ora hesitantes, ora constantes.

Não será muito diferente a partir daqui, mesmo após o anúncio desta semana. Mas com a vantagem do fim do isolamento em relação aos EUA – e isso é muito.

Os presidentes Barack Obama e Raúl Castro

Os presidentes Barack Obama e Raúl Castro, protagonistas de um anúncio histórico esta semana. Foto: AP Photo/SABC Pool

Conforme Pensata tem ouvido de castristas convictos, fiéis amigos do regime cubano e analistas políticos que acompanham à distância a lenta, porém constante, inflexão econômica e política de Cuba, o maior temor da cúpula daquele País é uma abertura desenfreada: sem controle, Cuba se escancararia aos dólares capitalistas e ao que os socialistas cubanos consideram suas anomalias imediatas mais perversas, especialmente a desigualdade excessiva, a ambição individual desmedida e o fim da capacidade de manter as conquistas sociais nas áreas da saúde e da educação.

Não convém, portanto, esperar nada próximo à vertiginosa velocidade do modelo chinês de abertura, iniciada quando Deng Xiaoping assumiu o poder após a morte de Mao Tse-Tung, na segunda metade da década de 1970. Quem conhece, porém, a abertura chinesa, sabe que foi conduzida com mão de ferro: foram três décadas de passos velozes e firmes, de braços dados com o capitalismo e a globalização para transformações econômicas, sociais e políticas da sociedade chinesa, mas sem que nada passasse sem o crivo e controle das mãos do Estado.

Os 53 anos de embargo, o tamanho e a complexidade da pobreza do povo cubana, a lembrança do que ocorreu com a entrada do Leste europeu na órbita capitalista, o temor de uma invasão dos Estados Unidos e a memória dos tempos pré-revolução (quando Cuba era um parque de diversões dos estadunidenses endinheirados)  são os ingredientes para tornarem os castristas mais arredios do que os colegas chineses a uma abertura capitalista, mesmo dentro dos limites de manutenção do regime centralizado e monopartidário como foi o modelo da China.

Leia também: Cuba era tratada pelos EUA como bordel de luxo e paraíso fiscal 

Como afirma Frei Betto, amigo pessoal de Fidel Castro, Cuba não tem a intenção de voltar ao capitalismo. “Cuba deseja manter uma sociedade na qual os direitos sociais são garantidos acima dos direitos pessoais”, disse o frade dominicano, após o anúncio de Obama e Raúl Castro. Para ele, o maior interesse cubano é manter relações com os Estados Unidos.

Frei Betto sabe do que fala. Passou mais de uma década viajando anualmente a Cuba. Durante o período construiu pontes entre o governo e a Igreja Católica cubana. Nenhum dos dois lados se bicava até o início dos anos 1980. Os bispos eram alguns dos maiores adversários de Fidel. Betto ajudou a vencer a resistência dos bispos e ganhou a amizade eterna do líder cubano. É de Frei Betto o livro Fidel e a Religião, lançado em 1985.

Frei Betto e Fidel Castro em encontro este ano em Havana. Foto: CubaDebate

Frei Betto e Fidel Castro em encontro este ano em Havana. Foto: CubaDebate

Os dois se encontraram este ano em Havana. Com direito a uma nota publicada na capa do Granma, acompanhada de uma imagem dos dois juntos – a nota lembra as “fraternais relações” que Fidel mantém há anos com o brasileiro.

A menção à religião e aos católicos aqui não é sem propósito. Há simbologias por todos os lados. Primeiro porque a decisão anunciada esta semana teve a participação decisiva do Papa Francisco: o Vaticano e o Canadá facilitaram os contatos entre as duas partes oferecendo às delegações a discrição necessária ao longo de um processo de diálogo que durou cerca de 18 meses.

Segundo: como lembrou o escritor cubano Leonardo Padura, a cada 17 de dezembro, data do anúncio, os católicos cubanos e os crentes da santeria ioruba celebram o dia de São Lázaro ou o de Babalú Ayé. “Ou festejam os dois, o santo e o orixá, porque um cubano pode acreditar em muitas coisas ao mesmo tempo”. Pois num dia de um santo católico, com a enorme ajuda do papa católico, Padura se viu assistindo ao que muitos da geração dele já haviam perdido a esperança de assistir: que Cuba e EUA “passassem   por cima de todas as suas diferenças políticas e históricas e que seus governos se dispusessem a estender-se as mãos sobre as águas do estreito da Flórida”.

Há seis meses estive no Rio entre Padura e Frei Betto conversando justamente sobre Cuba e ali o escritor cubano sublinhava as transformações por que passava seu país. Assim começava a pensata escrita a partir daquele encontro, ocorrido na Casa do Saber do Rio:

O escritor cubano Leonardo Padura

Leonardo Padura: “Hoje as pessoas têm muito mais liberdade em Cuba”

“Cuba está mudando. Pequenas mudanças, é certo, mas muitas o suficiente para, somadas, transformarem-se numa grande mudança. A estrutura do País pode ser a mesma, o sistema de partido único – o Partido Comunista acima de todas as coisas – continua vigente, os problemas e contradições seguem intensos, mas mudanças na economia e na realidade social vão provocar, cedo ou tarde, significativas mudanças políticas.”

Tanto Padura quanto Frei Betto concordavam ali – e continuam a concordar hoje – que o maior temor é Cuba tornar-se uma “mini-China”, guardadas todas as devidas proporções. Por mini-China leia-se: um governo autoritário de economia capitalista, com suas anomalias e incapaz de recriar o que consideram as melhores aspirações revolução cubana. (Leia mais aqui)

Abertura, sim; capitalismo, não

Não seria, portanto, um discurso para agradar a plateia doméstica o tom adotado por Raúl Castro ao encerrar os trabalhos da Assembleia Nacional, mesmo quando anunciava políticas de distensão pró-mercado. Um no ferro, outro na ferradura: enquanto dizia coisas como “temos o dever fundamental de corrigir os erros que cometemos nessas cinco décadas de construção do socialismo em Cuba”, Raúl afirmava também não ter sido eleito presidente em Cuba “para restaurar o capitalismo”.

Mais: “O planejamento, e não o mercado, será o traço definitivo da economia e não se permitirá a concentração da propriedade. Mais claro que isso, nem água”, disse ao encerrar a Assembleia Nacional, há exatos quatro anos, ao defender abertura, e não capitalismo, em seu país.

O escritor Fernando Morais, outro fiel castrista, disse algo semelhante a Frei Betto, ao declarar à BBC não ver sinais  de mudanças ideológicas no regime, com um argumento razoável: “Eles não se curvaram debaixo de agressão militar, diplomática e comercial”, lembrou Morais. “Não vão fazer agora, que a retomada de relações está sendo feita pacificamente”.

(Curiosidade histórica: foi ele, Frei Betto e Chico Buarque o trio que organizou, em 1992, organizar um voo de solidariedade a Cuba, mais uma vez então ameaçada pelos Estados Unidos. Fretaram um avião de passageiros e ratearam o preço entre uma centena de artistas, intelectuais e militantes anônimos convidados por eles para a empreitada. O voo acabaria desencadeando uma polêmica pública: dias antes do embarque, o governo cubano condenou à morte e executou um homem que matara um soldado, ao tentar sequestrar um barco para fugir rumo aos Estados Unidos. Eles decidiram manter o voo, apesar da execução, e enfureceram a imprensa, que os surraram durante uma semana.)

Obama: embargo isolou EUA, não Cuba

A “agressão” a que se refere Morais, todos conhecem: Cuba resistiu a mais de 50 anos de bloqueio.  Hoje aos 88 anos de idade, Fidel Castro viu passar oito presidentes dos Estados Unidos – quatro dos quais ele enterrou – e mais de 20 diretores da CIA que tiveram o projeto de assassiná-lo.

Como afirmou o próprio Obama, a estratégia dos EUA não isolou Cuba, mas os próprios EUA. Durante a reunião anual da Assembleia Geral das Nações Unidas, em outubro, pelo 23o ano consecutivo, 188 países votaram contra as sanções impostas à população cubana. Da mesma maneira, os EUA são o único país do continente americano sem relações diplomáticas e comerciais normais com Cuba.

Obama lembrou essa realidade em seu discurso, quando afirmou que “nenhuma nação nos seguiu na imposição dessas sanções” e que “esses últimos 50 a anos demonstraram que o isolamento não funcionou. É tempo de adotar um novo enfoque”.

Múltiplas forças

O sociólogo Mauricio Font é um cubano radicado há décadas em Nova York. Estudei com ele na Universidade da Cidade de Nova York, a Cuny University, onde Font dá aulas sobre globalização e desenvolvimento. Amigo de Fernando Henrique Cardoso e de muitos cientistas sociais brasileiras, o professor é autor de Cuban Counterpoints e Transforming Brazil: a Reform Era in Perspective.

Há alguns acompanho suas análises sobre o regime cubano e seu olhar atento às mudanças na política e na economia. Como quase todos os analistas, é mais otimista nas transformações econômicas do que nas políticas, sublinhando que os caminhos russo e chinês são os menos improváveis nessa mudança, na sua avaliação. Mas Font acha que o pêndulo da revisão econômica depende em grande parte da morte de Fidel e dos envelhecidos rebeldes da Sierra Maestra. Sempre enxergou a lentidão hesitante de Raúl Castro à força da linha-dura ainda presente no governo cubano.

Eis um conjunto complexo de forças múltiplas que se movem o tempo inteiro: a dinâmica internacional, para a qual Barack Obama e o Papa Francisco acabam de dar uma enorme contribuição; a força da velha guarda linha dura cubana, que sempre se alimentou do embargo e do inimigo norte-americano, bandeira que tende a perder força a partir de agora; e os jovens cubanos e o que desejam fazer do legado de Fidel, incluindo o profundo nacionalismo contido nessa herança.

Tudo somado, há razões para otimismos. Não que tenha uma revolução à vista a começar da noite para o dia, mas mudanças consistentes a promover à moda cubana – lenta, gradual e segura.

 

Autor: Tags: , , , , , , , ,

30 comentários | Comentar

  1. 80 hiperborio 21/12/2014 11:03

    esse frei beto é um comédia .

  2. 79 Roberto Petramali 21/12/2014 6:25

    Agora só falta a morte dos ditadores para Cuba voltar a ser uma democracia plena.Afinal os ditadores são os únicos que realmente não são comunistas pois tem seu bens próprios e mordomias mil.

  3. 78 larangine 21/12/2014 3:59

    Se aceitou o fim do embargo é porque precisa de dinheiro, e se precisa de dinheiro está assumindo que seu sistema de governo não funciona. Aliás, qualquer um sabe que o comunismo é não tem a menor vocação para gerar receita.

  4. 77 Vanderlei 20/12/2014 16:50

    Sr. Humberto, mas quantas desinformações aos mesmo tempo!!! Comunismo? Ateísmo? Nações como Hong Kong?
    Olha que ainda comentei, que é preciso estudar para apropriar-se de comentários filosoficos, pois corre-se o risco de deturpar todo o contexto!!!
    Para maiores informações não leiam, veja, isto é e outros lixos do gênero, e nem assistam a nossa querida Rede Bobos de televisão. Vamos estudar antes!!!!!

  5. 76 TEODORO 20/12/2014 16:45

    Cuba nao deveria, em nenhuma hipótese, aceitar o fim do embargo. Se os “malditos imperialistas” só querem explorar, pra que voltar ao que era antes? Os heróis Castros deveriam proteger completamente o seu socialismo. Só assim…poderemos, muitoem breve, ter o prazer de ver hordas dos “detestáveis ianques” fuguindo em barcos toscos, para o paraíso cubano

  6. 75 Unamirim 20/12/2014 15:09

    Prefiro o Inferno Capitalista do que o Paraíso Comunista.
    É o lucro do capitalismo que mantem o comunismo. Ou não?

  7. 74 Humberto 20/12/2014 15:04

    O regime cubano é totalmente falido, como o comunismo em si. Num dia bem próximo, tanto República Popular da China, como Cuba sentirão a grande ilusão que é regime socialista, isto por sua população, porquanto os líderes dos partidos comunistas jamais desejarão perder os seus postos de ostentação e poder. Os demais impérios comunistas deverão se detonar. Estes regimes ateus defendidos por parte da fracassada igreja progressista católica. Como católico apostólico romano, não admito alguns religiosos demagogos defenderem esses regimes do capeta. O império chinês deverá libertar nações escravizadas como Tibet, Hong Kong e Mongólia. Adeus comunismo do capeta e escravocrata.

  8. 73 carlo romani 20/12/2014 14:28

    Vou tentar publicar meu comentário desta vez: Oba, Cuba vai volta a ser como era antes da revolução: paraíso fiscal, lavagem de dinheiro, turismo sexual, drogas, rum, mulatas e farra para americanos e ocidentais ricos. Oba vamos cair nessa gandaia.

  9. 72 carlo romani 20/12/2014 14:24

    Oba, Cuba vai volta a ser como era antes da revolução: paraíso fiscal, lavagem de dinheiro, turismo sexual, drogas, rum, mulatas e farra para americanos e ocidentais ricos. Oba vamos cair nessa gandaia.

  10. 71 roberto 20/12/2014 14:19

    Frei Betto, quem disse que Cuba não quer democracia? Você possui procuração dos miseráveis cubanos para defender essa ditadura assassina? Ditadura esquerdista para vocês, esquerdopatas, e’ sempre bem vinda. Incoerentes e fanáticos. Era essa a democracia que nos idos de 60 vocês queriam para o Brasil? A desculpa do embargo, usada por vocês para explicar o desastre econômico, politico e social da ilha-presidio vai acabar, e ai quero ver qual vai ser a desculpa dos comunas tupiniquins.

  11. 70 Marco 20/12/2014 14:17

    Só mais uma informação para os coxinhas: Três países do BRICs ,Brasil, Rússia e China. Brasil constrói Porto Mariel em Cuba. China e Russia se Unem na construção de um Canal na Nicarágua que começa agora em 22/12/2014, para concorrer com o Americano (Panamá). Tá fácil para os coxinhas tirarem conclusões (não vou desenhar) de quem tá desesperado!

    • torcato 20/12/2014 15:22

      o socialismo só dura ate acabar o dinheiro dos outros …por isso CHINA e RUSSIA estão a todo vapor no CAPITALISMO ….agora é a vez de CUBA sair da miséria

    • geninho 20/12/2014 14:43

      Interessante a sua colocação. Assim, reforça que q a Refinaria de Pasadena foi um bom negócio, passa a valer mais, estratégico no tempo, pela proximidade com o Golfo do México tb rico em petróleo, e que petróleo! De melhor qualidade e cotação! Mas não vejo tanta riqueza no Panamá, qdo seu povo, o nicaraguense e o mexicano busca “trampar” nos EUA, e tb o sonho americano vive desvanecendo, e quando os próprios mexicanos estão voltando para seu país q passou a ter melhor condição de trabalho. Vai lá!!! A liberdade está nas asas da imaginação, sem fronteiras…

  12. 69 geninho 20/12/2014 14:15

    Só espero que não morram na euforia igual Haiti que pagou à França a sua liberdade, e deu no que deu,, não souberam o q fazer com tanta liberdade, tipo samba, suor, futebol e cerveja, mera ironia…
    Enfim, Cuba vai lançar foguete e eu quero ver Cuba lançar…….Cuba Libre!!!! Pero si…pero no…

  13. 68 Vanderlei 20/12/2014 14:04

    Estive em Cuba no aniversário de 50 anos da Revolução, e pude constatar o quanto o país sofre com o embargo estadunidense. Mas enfim, que tirania é essa de não aceitar o regime político dos outros? Siga seu rumo e seja feliz com os seus ideais, e os Estados Unidos não são os donos das verdades. Será que alguém ainda é enganado quanto aos reais interesses dos Estados Unidos perante todos os outros países do mundo?
    Sou professor de Ciências Sociais e Humanas, mas não me iludo com “capitalismo” e “socialismo”, pois isso, são, ou foram formas de equacionar interesses dos governantes junto às suas respectivas sociedades.
    Os cubanos se orgulham muito das suas conquistas sociais, que diga-se de passagem são realmente muito boas, pois não há crianças nas ruas, fora das escolas, sem familiares presentes, e…
    Por favor amigos, antes de falarem algo, vão visitar, estudar, entender, pois cultura não se compra se adquire!!!

    • ricardo 20/12/2014 16:11

      vc só pode escrever uma coisa dessas pq mora numa democracia …. amem

      • Jefferson 20/12/2014 18:26

        Para que a democracia como vc diz e pessoas passando fome, sem saúde e educação. Se for assim prefiro não ter democracia. E tendo isso não precisamos escrever nada…

  14. 67 carlos gaiza 20/12/2014 14:00

    do meu ponto de vista, chaves foi eliminado em troca desse acordo.

  15. 66 Marco 20/12/2014 13:48

    Cuba agora vai poder importar coxinha e o Estado de São Paulo vai ser um grande exportador.

    • geninho 20/12/2014 13:56

      Sem dúvida! Tá sobrando frango…

      • minhacarta 20/12/2014 15:31

        ou franguinhas !!!

  16. 65 Marcus 20/12/2014 13:47

    Engraçado, Cuba não era o paraíso contra o imperialismo yankee. O que houve, perceberam que o comunismo não deu certo depois de 25 anos do fim da União Soviética e do comunismo oriental, ou acharam que na América seria diferente?.Como vão sobreviver agora os pseudos intelectuais milionários que defendem o regime, embora, nem de longe, queiram viver nele?

    • geninho 20/12/2014 14:18

      Sabe que vc está certo. Basta lembrar que todo mundo “comuna” não abre mão das arregalias e confo9rto gerado pelo Capitalismo, demagogos, dissimulados e a maioria dança na avenida deste país tupiniquim… Plim!Plim!!! Que medo, hem! Na mosca!!!

  17. 64 Marco 20/12/2014 13:35

    “Os comunistas não tem mais nada para defender”. E aqueles que preferem o capitalismo, tem o quê para defender? Se alguem responder com certeza vou dar bastantes gargalhadas!

    • roberto 20/12/2014 14:22

      O antônimo de comunismo e’ democracia, e não capitalismo. Quando os assassinos ditadores de Cuba se forem ,restara’ a Coreia do Norte para os comunas cucarachas visitarem.

  18. 63 gordicho 20/12/2014 13:24

    Lembram de Dom Fulgêncio Batista?
    Escancarou as portas de Cuba para os americanos, o Raul Castro é a encarnação dele.

  19. 62 LUIZ - SOROCABA 20/12/2014 13:08

    Nunca esquecendo que , com ou sem americanos, essa raça porca dos Castros tem que devolver a grana que lhes foi dada para a construção do Mariel.Eu quero dizer toda a grana, inclusive aquela que serviu desviadas para os cofres do PT para campanha política, ou será que vamos ter um replay do episódio das refinarias bolivianas a la Evo Morales ??

    • geninho 20/12/2014 14:29

      Migalhas! migalhas! migalhas!
      O Evo q se cuide, pq parece coisa de índio, e índio quer apito.No fundo seu país não tem saída para o mar, e tb o Paraguai que foi quase dizimado pela Guerra do Paraguai provocada por Francisco Solano Lopez….sobrando velhos, mulheres e crianças…MASSS…
      Bolivia Ppor seu lado tinha e tem….MUITO GÁS, coisa que sempre interessou ao Brasil, na ordem político-econômica…e agora algo mudou pela descoberta contida no Pré-Sal.

  20. 61 cleone silva 20/12/2014 13:07

    Se os medicos do mais medicos agora vao receber o salario integral, Cuba vai mandar trazer de volta pois aih nao compensa e nao tem como ressarcir o PT.

    • geninho 20/12/2014 14:09

      Será que pagam o 13º Salário, o PIS??????????

  21. 60 marciobmic 20/12/2014 12:22

    Cuba capitalizou?
    Puxa,que pena o comunismo não deu certo.
    Mas, e agora?
    Para onde vão os PTralhas?
    Qual será o exemplo de país perfeito? Coréia do Norte?

    • geninho 20/12/2014 14:06

      Com dólar não vale nada frente ao petro dólar, motivo maior da morte de Sadam, Kadafi e Cia. na tentativa daqueles de implantar o Petrodolar…assim Venezuela, Brasil passam a ser um “mal”, grande detentores do Ouro Negro, juntamente com o Vietnan não engolido até hoje, e tampouco a Coréia do Norte, essa a mais perigosa…tem a sua própria bomba atômica. ´Sutil demais…. Tio Sam anda mal das pernas e busca se refazer, aliás mujito tempo antes da reeleição da Dilma já fazia pequeno comércio com Cuba através de pequenas embarcações, na surdina pelo jeito. A Bíblia está certa….EUA são as pernas de barro incapaz de segurar um Imperialismo em queda.Apesar disso continuará aprontando…pq são grandes detentores de dinheiro no mundo.

    • geninho 20/12/2014 13:51

      Sorria!!!!
      Para um bom entendendor, o Comunismo não deu certo e tampouco o Capitalismo deu certo, bastando ver o mundo que virou um caos economico à beira do abismo, e levou muitas empresas à falência, momento q Karl Marx foi o mais lido no mundo, e ainda basta um empurrão p’ra todo mundo ir para o buraco, enquanto a moeda for Dólar Americano, Sadam, Kadafi foram mortos pq tinham em mente à implantação do Petrodólar, em lugar de US$, e assim…o mal no mndo para Tio Sam é Venezuela, eam aqueles, é o Vietnã q até hj não engoliram, e tb a Coréia do Norte que tem a sua bomba atômica. Até especialistas americanos sabem q o Dólar só vale mais pela tinta e impressão, e no fundo a grana do mundo continuará na mão de poucos, e certamente judeus q são os donos do dinheiro. “Gralhas” fazem muito barulho e basta uma pedrada,enquanto ainda, hienas riem e comem carniça. kkkkkkkk

    • geninho 20/12/2014 13:33

      Sonhadorrr! OComunismo não deu certo tanto quanto o Capitalismo, e assim faliu o mundo9 da forma que vc está vendo, na bancarrota para sobreviver, se autosustentar…bastando um pequeno empurrão para o mundo inteiro cair no abismo. Assim, KIarl Marx foi o lider de vendas no mundo no meio do caos econômico. Agora… de “grralhas” o mundo tá cheio, gritam alto mas basta um pedrada em cheio…….kkkkk

  22. 59 Paulo Cantão 20/12/2014 12:16

    Não dou 10 anos para a transformação de cuba numa democracia com liberdade e o enterro do comunismo definitivamente, Deviam tambem fazer um julgamento do passado e dos opressores que se condenados cumpram a devida pena.

  23. 58 Edson Maia Carlos Filho 20/12/2014 12:12

    Ou seja: A dupla de ditadores jurássico/castrista, ganhou de certa forma, uma sobrevida !!!

  24. 57 carlos h. ferreira 20/12/2014 12:07

    Os comunistas/capitalistas/corruptos no Brasil estão levando um tapa na cara, daqueles que vc dá com a mão espalmada e bem forte, porque tudo que defenderam já foi para o esgoto a muito tempo e vão presenciar Cuba virar novamente um “ponto turístico” dos americanos, e é por esta razão que dão estas opiniões estapafúrdias sobre o regime cubano, quero ver eles segurarem os jovens cubanos quando tomarem consciência da liberdade que existe na democracia.
    Admitam que o comunismo é uma farsa, uma ditadura, um regime que assassina seu próprio povo, fica mais elegante admitir a situação do que tentar subestimar a nossa inteligência. Aliás para isto tem um velho ditado que vem a calhar para reflexão dos comunistas brasileiros, diz o seguinte: ” SE VOCÊ NÃO FOR COMUNISTA ATÉ AOS 25 ANOS, VOCÊ NÃO TEM CORAÇÃO. SE CONTINUAR A SER COMUNISTA DEPOIS DOS 25 ANOS, VOCÊ NÃO TEM CELEBRO”. Se conseguirem pense nisto.

  25. 56 Edson Maia Carlos Filho 20/12/2014 12:07

    Buenos dias !

    No tiene que abrir solamente una de las pernas…pero, las duas, tiene que abrir lo todo….hasta luego, muchachos !!

    • Edson Maia Carlos Filho 20/12/2014 12:10

      Bom dia !

      O que eu quis dizer, anteriormente, é que: esta abertura política e econômica é definitiva, irreversível, não há como ter volta…!! É daqui para adiante…!!

  26. 55 carlos h. ferreira 20/12/2014 11:50

    “lendário e chapa branca Granma,”

    Interessante ver a imprensa brasileira se referir ao “Granma” como “chapa branca”, não poderia ser diferente em uma ditadura assassina como a cubana, a diferença de lá para cá, é que os donos do “Granma” não são financiados com dinheiro público como aqui, por lá se não apoiarem o governo vão para o “paredon” como o assassino sanguinário apelidado de “porco”, (não gostava de tomar banho) Che Guevara fez com milhares de cubanos, agora por aqui na nação petralha/corrupta os “chapas branca” estão ficando milionários com dinheiro sujo desviados dos cofres da nação e das estatais.

  27. 54 Vitor 20/12/2014 11:49

    Todo mundo sabe que a cor vermelha não funciona,só um bitolado não sabe disso.
    Acho bom essa aproximação dos EUA a Cuba,pois agora os médicos do MAIS MÉDICOS vão recebr o valor correto e alem do mais,os EUS vão verificar as transações do PT com Cuba!

  28. 53 rui 20/12/2014 11:39

    A de se ter cuidado mesmo.

    Uma paisagem maravilhosa, culinária rica, sem falar da música, dos boleros, da salsa, do mambo, etc. Aliado a isso as bases estruturantes existentes: segurança, o bom nível de educação da população em geral, a saúde pública de boa qualidade. E que dentes, com o sorriso escancarado por todos, é bonito de se ver.

    Então, creio eu que seja o Turismo o grande potencial da Ilha, tem de tudo para se tornar um dos principais destinos turísticos do mundo. Mas há de ter cuidado com a abertura para que toda a população se beneficie com as melhorias que possam vir.

    Para nós brasileiros, o que necessita é melhorar e ampliar as opções de chegada na Ilha. Desta forma poderemos no futuro optar ou pela a alegria carnavalesca baiana ou pelo ritmo contagiante da salsa cubana, o espírito é o mesmo.

  29. 52 Milton 20/12/2014 11:36

    Com a abertura , os idolatras devem estar chorando essa hora . Aquela meia duzia de safados de lá com a meia duzia de safados de cá vão ver o fim lento , gradual e seguro de um regime acabar. Vão ter que investir em outro lugar…

  30. 51 Sergio Minatti 20/12/2014 11:07

    Na verdade, será difícil para os donos da Ilha admitirem que fracassaram, mas, esse processo de morte do comunismo é irreversível.

    • Jefferson 20/12/2014 18:39

      Engraçado como o capitalismo deu certo ( como muitos pregam aqui), a África é capitalista e milhões morrendo de fome., a Europa oriental saiu do socialismo e foi para o capitalismo o que aconteceu? aumentou o analfabetismo, piora na saúde e etc… Então será que compensou virar capitalista? Quanto a Europa Ocidental tadinha dela cada vez pior, tão ruim que para se ter emprego tem que vir para suas ex colonias como a Africa, Ásia e América para cinseguir emprego, por fim o que deu certo não foi o capitalismo e sim alguns países como EUA, Alemanha, França, Austrália e outros poucos, as custas da escravidão de outros países…

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.