Publicidade

terça-feira, 16 de dezembro de 2014 Política, Sociedade | 09:17

Estatuto do Desarmamento que bancada da bala tenta revogar ajudou a salvar 121 mil vidas

Compartilhe: Twitter

Da cidade de Gainesville, na Flórida, EUA – país-símbolo da liberdade nas regras do porte de armas de fogo – o sociólogo Gláucio Soares envia um conjunto considerável de dados e argumentos para desmontar a tese da bancada da bala no Congresso que tenta revogar o Estatuto do Desarmamento, aprovado e sancionado em dezembro de 2003. Segundo a bancada, ao tirar as armas legais de circulação e impor sérias restrições à sua aquisição, posse e porte, o estatuto buscava reduzir drasticamente o número de homicídios no País. Foi um erro banhado de sangue, argumentam: o número de mortes não para de crescer.

Um dos mais respeitados especialistas em segurança pública no Brasil, Gláucio Soares diz que não é bem assim. Apoiado nas estatísticas oficiais, mas fazendo extrapolações e comparações, o professor argumenta que o Estatuto do Desarmamento foi eficaz porque estancou o crescimento de homicídios que seguia num ritmo e passou a outro. Ele e Daniel Cerqueira, diretor do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada), fizeram as contas e chegaram a um dado surpreendente: 121 mil vidas foram preservadas pela lei criada 11 anos atrás. Elas teriam sido perdidas, caso a trajetória de mortes por armas de fogo aumentasse na mesma velocidade que vinha antes do estatuto.

Aos números. Entre 1980 e 2003, ano da sanção do estatuto, o número de homicídio por armas de fogo no Brasil aumentou de 6.104 para 36.576 – um aumento médio de 8,36% a cada ano. Em 2013, o número de homicídios chegou a 38.578, um aumento anual de 0,53% ao ano. Em outras palavras: o crescimento médio anual de pessoas assassinadas por arma de foto antes do estatuto era mais de 15 vezes maior do que o observado após a vigência do estatuto. “O Estatuto do Desarmamento foi fundamental para quebrar esta trágica trajetória”, diz Daniel Cerqueira, em defesa que se espalhou nos últimos dias pelas redes sociais.

O gráfico abaixo, enviado à coluna por Valéria de Velasco, subsecretária de Proteção às Vítimas de Violência da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania do Distrito Federal, ajuda a reforçar as curvas apontadas por Cerqueira e Soares. A linha vermelha expõe a possível trajetória de crescimento das mortes com armas de fogo que vinham se mantendo antes de 2003. A linha azul revela as mortes que efetivamente ocorreram no período. A radiografia expõe o efeito da ajuda do Estatuto do Desarmamento que hoje se deseja desarmar. Obviamente convém ressaltar que o estatuto não foi a única âncora a segurar a tendência de crescimento das mortes. Mas é inegável a sua ajuda, é o que argumentam os professores e a subsecretária.

Tabela

Cerqueira e Soares são dois dos especialistas que vêm buscando pôr evidências empíricas, dados estatísticos e comparações internacionais para tentar barrar a aprovação do Projeto de Lei 2722/12, de autoria do deputado Rogério Peninha Mendonça (PMDB-SC), que devolve à legalidade o porte de armas e facilita a aquisição de revólveres e afins. Nesta quarta-feira (17), a comissão especial da Câmara criada para analisar o projeto que revoga o Estatuto do Desarmamento deve votar relatório do deputado Claudio Cajado (DEM-BA) sobre o tema. Briga feia: se passar pela comissão e depois pelo Senado, cada cidadão terá direito a até nove armas de fogo e 1.800 cartuchos de munição por ano.

No Brasil, três teses de doutorado defendidas nos últimos anos – incluindo a do próprio Daniel Cerqueira, defendida na PUC-Rio – apresentaram fortes evidências de que mais armas na experiência internacional correspondem a mais crimes, especialmente roubos, furtos, estupros e homicídios. Cerqueira publicou um estudo com o economista João Pinho de Mello, do Insper, intitulado Evaluating a National Anti-Firearm Law and Estimating the Causal Effect of Guns on Crime, no qual os dois avaliam o impacto da legislação anti-armas de fogo e estimam o “efeito causal” das armas sobre o crime.

Usando e abusando de modelos matemáticos e econometria, ambos reforçam neste estudo a tese do impacto positivo do Estatuto do Desarmamento sobre a redução das taxas de homicídio. Neste estudo em particular, somente no Estado de São Paulo, foram salvas entre 2.000 e 2.750 vidas de 2004 a 2007, em cidades com mais de 50 mil habitantes. Para ler o estudo na íntegra, infelizmente escrito e publicado em inglês, leia aqui.

 

Comissão usa estudo de advogado pró-armas

Uma das fontes de queixa em relação à comissão especial são os laços que unem parte de seus integrantes a fabricantes de armas e munições. Levantamento da ONG de combate à violência Instituto Sou da Paz, com base em dados registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e divulgado pelo Congresso em Foco, mostrou que dez dos 24 titulares da comissão especial receberam doações do setor para suas campanhas eleitorais neste ano. Ou seja, cerca de 40% dos integrantes. Outros seis suplentes também foram financiados por fabricantes de armas e munições.

Gláucio Soares também aponta equívocos no relatório produzido pela comissão. Diz que os parlamentares agiram “sem qualquer preocupação com a representatividade” e enxergou no documento que deve ser votado nesta quarta-feira “um exemplo de fraude grosseira de fontes de apoio”.

Uma dessas fontes de apoio a que o sociólogo se refere é a prestigiada Universidade de Harvard. O “estudo de Harvard” citado pelo relatório da comissão é usado para apoiar os argumentos dos contrários ao estatuto. Ocorre que o tal estudo não foi feito por seus pesquisadores, tampouco endossado pela universidade. Seus autores são Gary Mauser e Don B. Kates.

Mauser é um professor da Faculdade de Administração de Empresas da Universidade Simon Fraser, no Canadá. Tem dois livros publicados: Marketing político e Manipulando a opinião pública. Don Kates é um professor aposentado de direito constitucional e criminal, que trabalha no Instituto Independente de Oakland, Califórnia, uma instituição que se orgulha entre outras  de combater o “socialismo” do Partido Democrata norte-americano (!), mas com uma base acadêmica. Como advogado, Don Kates tem representado os proprietários de armas, atacando a constitucionalidade de leis de restrição ao porte de armas de fogo.

O relatório cita a pesquisa de Harvard a partir do Instituto Ludwig von Mises que, a despeito do nome, vem do Brasil – na verdade, foi publicada em novembro deste ano como “Vinte fatos que comprova que a posse de armas deixa a população mais segura” (típico exemplo de uma citação errada que vai levando à outra). O estudo foi citado em uma publicação na página da The American Civil Rights Union (ACRU), outra organização da ultra-direita norte-americana, fundada por ex-integrante da equipe do ex-presidente Ronald Reagan, em 1988. A entidade dedica-se a acompanhar outras organizações, incluindo aquelas que negam o Holocausto, que condenam a comunidade LGBT, combatem negros, etc.

Soares tirou duas conclusões importantes. Primeiro: “o relatório da Comissão Especial falsamente atribui um estudo à Universidade de Harvard, copiando a besteira escrita pela ACRU”. Segundo: “O estudo foi preparado e divulgado por organizações americanas de direita, gerando a preocupação com a possível interferência de organizações estrangeiras na formulação de políticas públicas brasileiras”. Para ele, o documento da comissão “age como um braço a serviço” de organizações de extrema direita.

Quem tiver a curiosidade de ler o relatório da comissão especial, vale a leitura. A íntegra pode ser lida aqui.

Para o deputado Rogério Peninha Mendonça,  o texto não propõe distribuir armas indistintamente ou banalizar o acesso a elas. Em entrevista recente ao repórter David Shalom, no iG, Peninha defendeu sua ideia. Ressaltou que, se vetarmos armas de fogo, logo faremos o mesmo com carros. “Na minha cidade, no interior catarinense, outro dia uma mulher foi dar ré e atropelou o próprio filho. Ou seja, não é só a arma de fogo que mata. Ela mais protege e, se estiver guardada, com munição separada, só traz aspectos positivos à vida do portador. Mas acidentes acontecem”.

 

Autor: Tags: , , , , , , ,

domingo, 14 de dezembro de 2014 Filosofia do cotidiano, Política | 17:38

Ética não é só um problema dos políticos, mas do cotidiano de todos

Compartilhe: Twitter

Se você é daqueles que se enfurecem ou se entristecem com o insistente tema da corrupção no Brasil, mas não deseja restringir-se à cantilena das obviedades despejada pelo colunismo público moralista, recorra a uma leitura imediata – o novo livro da filósofa Marcia Tiburi: Filosofia prática – Ética, vida cotidiana e vida virtual, lançado recentemente pela editora Record. Esta coluna chegou tardiamente ao livro de Marcia (embora seja a menor das dívidas que mantém com ela), mas faz aqui o reparo.

Embora trate de um vasto universo de temas que dizem respeito ao “modo de viver”, incluindo a indústria cultural da felicidade e nossa relação com a tecnologia e as redes sociais, Filosofia prática é essencialmente um livro sobre ética. Na verdade, “filosofia prática” é o que seria uma boa “tradução para o termo “ética” – a preocupação em relação à nossa vida e à vida em comunidade.

Em seu livro, Marcia Tiburi pensa a ética como ação. Pensamento é um ato, diz a filósofa, buscando sincronizar pensamento e ação. Sincronia esta que, segundo suas palavras, “é o desenho feito de pedras no fundo arenoso do rio da vida cotidiana, onde, apressados, molhamos os nossos pés, onde, menos atentos, nos afundamos até o pescoço sem perceber o que acontece”. Diz mais: “Chamo de Filosofia Prática a fotografia desse rio, ora barrento, ora cristalino”.

Por vida cotidiana ela entende a vida “simplesmente vivida, a realidade partilhada como “naturalidade”. A ética corresponde à pergunta e, ao mesmo tempo, poderia ser a resposta aos problemas humanos do que podemos resumir como convivência. Seja a convivência consigo mesmo, com o outro, com a cultura mais ampla, com a sociedade do espetáculo, todos os problemas enfim do cotidiano – o lugar de “viver junto, de viver “com”.

A filósofa Marcia Tiburi, autora do livro "Filosofia prática": "A pronúncia da palavra ‘ética’ convoca a ser ético aquele que fala". Foto: Divulgação

A filósofa Marcia Tiburi, autora do livro “Filosofia prática – ética, vida cotidiana, vida virtual” : “A pronúncia da palavra ‘ética’ convoca a ser ético aquele que fala”. Foto: Divulgação

Eu comigo, eu com o outro

Daí porque ela faz três perguntas essenciais: 1. Como me torno aquilo que sou? 2. O que estamos fazendo uns com os outros? 3. Como viver junto? Neste último caso se apropria de um belo título de Roland Barthes, a quem recorre também para a epígrafe “Por que não falar a língua de todo mundo?” (mais do que uma epígrafe, é também uma preocupação exposta em todo o livro, a busca por uma escrita sem rebuscamentos excessivos, contorcionismos teóricos e academicismo no mau sentido).

Marcia Tiburi não explicita isso em seu livro, mas a ética do cotidiano que aborda no fundo constitui um debate fundamental para o Brasil contemporâneo, uma vez que o País tem padecido de um vício de origem na discussão sobre política e corrupção.

Explica-se.

Passo a passo, contínua e diariamente, o Brasil vem se acostumando à ideia de que o mal-estar da sociedade decorre da convicção de que as autoridades eleitas para administrar os recursos das comunidades não oferecem serviços à altura do combinado com seus eleitores. Pior: apropriam-se ilegalmente de parte desses recursos públicos. Em bom português: elegem-se por um único e exclusivo e interesse. Porque são um bando de larápios. Todos gatunos. Bandidos.

Daí a suposição coletiva, compreensiva para muitos ingênuos, de que existam normas eleitorais, a serem urgentemente postas em prática, capazes de propiciar uma limpeza irrestrita nas regras e nos costumes políticos. Desse modo – assim supõem “cidadãos de bem”, colunistas públicos, éticos e moralizadores em geral – os prevaricadores serão removidos da vida pública, os recursos estarão melhor administrados, e a política ficará livre de personagens pecaminosos.

Difícil acreditar na existência de regras tão eficientes, a ponto de filtrar a esse nível os cidadãos em geral – incluindo, claro, aqueles que embarcam na vida pública. Como afirmou o cientista político Wanderley Guilherme dos Santos, num artigo publicado no iG há mais de um ano, ainda que existissem regras tão eficientes, “elas não se aplicariam ao outro lado das transações espúrias, isto é, aos corruptores”. No quesito “cidadãos virtuosos”, ressaltou o professor, o Brasil “hospeda sensacional taxa de corruptores”. Cito-o:

Do jovem motoqueiro insinuando uma gorjeta ao policial que o multa por excesso de velocidade ao indignado cidadão que esbraveja contra as instituições políticas, mas, enquanto feliz proprietário de um estabelecimento comercial, oferece modesta propina para que o fiscal ignore as insatisfatórias condições de segurança de incêndio de seu negócio – são raríssimas as exceções à cultura prevalecente no Brasil, segundo a qual é quase sempre possível esconder uma ilegalidade promovendo outra. E não há talvez brasileiro que nunca tenha sido objeto de ameaçadora pressão corruptora por parte dos profissionais liberais – médicos, advogados, dentistas, analistas, etc. – a cujos serviços recorre com frequência, deixando de cobrar-lhes recibos e tornando-se cúmplice de crimes fiscais.”

Nesse caso, lembra Wanderley Guilherme dos Santos, são os corruptos e corruptores que se consideram iguais na demanda por ética na política, e até justificam a violência niilista de alguns grupos em passeatas intimidantes pelas ruas de grandes cidades, comuns em junho do ano passado.

A banalidade do mal

Filosofia Prática Marcia Tiburi Editora Record 320 páginas; R$ 35

Filosofia Prática
Marcia Tiburi
Editora Record
320 páginas; R$ 35

Lembrei-me imediatamente do artigo do cientista político ao ler o livro de Marcia Tiburi, para quem a ética se tornou uma espécie de palavra mágica que teria o poder de “presentificar” a exigência nela contida. Em outras palavras, “(…) qualquer um que diz ‘ética’ põe em ação sua virtude de bumerangue: a pronúncia da palavra ‘ética’ convoca a ser ético aquele que fala. (…) Pronunciando algo como ‘ética’, alguém pode pensar que ela está autorrealizada como profecia; ao falar da falta de ética do outro, há quem acredita tornar-se automaticamente livre da falta de ética que pode estar justamente projetando no outro”.

Uma cultura de corrupção é como uma banalidade do mal, escreve Marcia Tiburi. Em termos filosóficos, o mal banal é a perversidade ao alcance de todos (para quem é curioso e topa filosofia, vale ler ou reler Hannah Arendt e seu As origens do totalitarismo, entre outros; na psicanálise Freud ainda pode ser uma leitura necessária, tanto o mal como “perversidade” quanto o sentido psicanalítico de “perversão”, mas aí é outra história).

O risco é quando nos acostumamos e aprendemos a conviver com o mal. “Somos convidados à corrupção como à máquina de tortura que, como oficiais, somos treinados para operar”, escreve, para mais adiante acrescentar:

“O mal torna-se algo entre nós trivial; não a exceção, mas a regra. No caso da corrupção, entendida como um gesto deliberado e inevitável em tomar para si o que pertenceria de direito a outrem (…), ela se torna um dado estranhamente afirmativo da cultura. O cinismo é elevado a razão social quando pensamos que a corrupção é inevitável. Se hoje podemos nos perguntar ‘quem não seria corrupto?’ é porque entendemos que a corrupção tomou aquele lugar do bem na autoconservação social em geral. A corrupção é a regra. Mal do nosso tempo, ela aparece como uma nova regra de qualquer conduta, uma contraditória ‘moral imoral’”.

Enfim, Marcia conclui: “Da governabilidade aos atos cotidianos, o corrompido mundo da vida, no qual ética e política cindiram-se há muito tempo, transformou-se na sempre saqueável terra de ninguém”.

Talvez a filósofa não tenha percebido a ingenuidade exposta neste trecho acima. Afinal, quando ética e política andaram sempre amalgamadas? Mais do que isso, quando a sociedade, em todas as épocas e em todos os povos, produziram cidadãos apenas virtuosos, tanto para a esfera pública quanto para a privada (da democracia elitista grega, do corrupto Senado romano às democracias contemporâneas, passando pelas políticas do Vaticano em todas as eras depois de Cristo)?

Apesar do breve desvio de rota, a curva argumentativa de Marcia Tiburi em Filosofia prática é permanentemente consistente. Não recai no histerismo de esquerda à la PSOL – que ela apoiou em 2014 – nem no niilismo antipolítica juvenil, próprio das passeatas de junho do ano passado, muito menos no udenismo de direita, versão tucana. algo que não se esperaria dela.

Do vazio de emoção real à realidade virtual

Mais: o foco discutido aqui, a política, revela algo que é sublinhado em maior relevo no livro, porém Marcia jamais ignora o que é a essência de uma “filosofia prática”, ou uma ética para o cotidiano: um debate sobre como nos tornamos quem somos, o que estamos fazendo com nós mesmos e como estamos vivendo uns com os outros. Por essa razão seu livro aborda de maneira igualmente criativa outros temas que correm paralelamente à política.

Como o vazio de emoção – ou a epidemia de melancolia e depressão, que contraditoriamente (ou previsivelmente) ocorre no mesmo compasso da força crescente de uma indústria cultural da felicidade (ou da obrigação de ser feliz).

Questionando a ideia da solidão como doença e a alegria transformada em mercadoria, nesse terreno, felizmente, Marcia Tiburi se esquiva da medida fácil adotada por alguns de seus pares: o combate aos prazeres. Nada disso. Para ela, os prazeres podem ser libertadores. O importante, afirma, é pensar em como os prazeres são inventados com a intenção de capturar “consumidores” pelo desejo de terem prazeres. Quais deles nos aprisionam? Quais realmente nos libertam? – ela questiona.

A filósofa também não rejeita outro tema que aborda no livro, as redes sociais – acompanhe seu Twitter e seu Facebook e saberá que ela é ativa nesse terreno. Quando trata do cotidiano virtual, o que mais lhe interessa é discutir como nossa vida está desdobrada nessa nova “realidade”, como uma prótese da própria existência – a vida “digital” como simulação que faz decrescer a “realidade real”.

Um debate que merecia uma pensata à parte, pois incorre num desvio comum a muitas reflexões: tende a minimizar fenômenos e constatações como:

a) a tecnologia afasta, mas também aproxima indivíduos, e mais encontros reais ocorrem graças à… tecnologia;

b) avatares e máscaras são apenas formas contemporâneas de obscurecer nossas personas reais, nada muito diferente do que personagens mais oblíquos (do mundo real ou da literatura) faziam para omitir o que desejavam omitir;

c) fantasiamos “virtualmente” tanto quanto casais que acabam de se conhecer “olho no olho”, “realmente”, projetando suas expectativas, desejos e fantasias no outro que esperam conquistar.

Essa é a riqueza do livro de Marcia Tiburi – abrir caminho para variadas e complexas reflexões. De uma importante luz para os conflitos éticos na política à reflexão sobre pequenas coisas da vida cotidiana, a vida anestesiada, angustiada, banalizada, cheia de marasmo ou de pequenas grandes alegrias – a “vida besta” de que falava Carlos Drummond de Andrade em seu “Cidadezinha qualquer”, que ela graciosamente cita numa nota de rodapé:

Casas entre bananeiras
mulheres entre laranjeiras
pomar amor cantar.
Um homem vai devagar.
Um cachorro vai devagar.
Um burro vai devagar.
Devagar… as janelas olham.
Eta vida besta, meu Deus.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

sábado, 13 de dezembro de 2014 História, Política | 14:24

Depoimento de Dilma sobre tortura em relatório da CNV opõe presidente e Forças Armadas

Compartilhe: Twitter

O depoimento em que relata a tortura sofrida na pele da militante política de codinomes Estela, Stela, Vanda, Luíza, Mariza e Ana põe em lados opostos a presidente Dilma Rousseff e as Forças Armadas que ela própria comanda. Os trechos do depoimento são conhecidos desde 2012, mas esta semana foram tornados nacionalmente oficiais num documento que promete reabrir o debate sobre a revisão da Lei da Anistia brasileira, de 1979 – o relatório da Comissão Nacional da Verdade, que pede a punição a 377 pessoas apontadas como responsáveis por crimes cometidos na ditadura militar (1964-1985) e admite 23 vítimas que até então o Estado brasileiro rejeitava. A Comissão incluiu os cinco generais que presidiram o País no período – Castello Branco, Costa e Silva, Médici, Geisel e Figueiredo. Dos 377 apontados, 196 estão vivos.

O mal-estar nas Forças Armadas vem de longa data. Manteve-se vivo durante todo o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com o trabalho da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos e a possibilidade de instauração da Comissão Nacional da Verdade, e tornou-se mais agudo depois que a presidente Dilma instituiu enfim a comissão, em 2011. O silêncio foi a regra entre os militares da ativa, contrastando com a grita da turma da reserva, sobretudo aquela reunida nos clubes Naval, Militar e da Aeronáutica – no dia seguinte à divulgação do relatório, os clubes divulgaram uma lista com 126 nomes de militares, policiais e civis que, segundo eles, foram mortos em ações da luta armada contra a ditadura militar. Segundo a nota, publicada em forma de anúncio em jornais do Rio, a intenção foi homenagear vítimas “desprezadas” pela CNV.

Somente dois dias depois da cerimônia de divulgação do relatório da CNV, um integrante das Forças Armadas rompeu o silêncio, e timidamente, sobre o assunto: o comandante da Marinha, almirante Julio Soares de Moura Neto. Durante inauguração do estaleiro de construção de submarinos da Marinha em Itaguaí (RJ), o almirante disse que a Comissão cumpriu seu papel e que a Marinha se debruçará sobre o relatório final. Afirmou que os comandantes militares não conversaram com a presidente sobre o relatório e que as Forças Armadas irão aguardar a orientação do governo para se posicionarem.

A ordem no Palácio do Planalto é seguir pisando com calma nesse terreno cheio de armadilhas, mas a banda do governo favorável ao trabalho da Comissão não esquece o dia da cerimônia em que a presidente sancionou a lei que criava CNV. O almirante e os outros dois comandantes das Forças Armadas – o general Enro Martins Peri e o brigadeiro Juniti Salto – deixaram claro, sem palavras, a discordância com a ideia de exumação do passado. Enquanto a ex-guerrilheira era aplaudida por toda a plateia ao sublinhar aquele “dia histórico”, segundo suas palavras, somente os três e o chefe do Estado-Maior Conjunto permaneceram contidos, mãos sobre o colo, imóveis. No código consentido dos comandantes militares, a ausência do aplauso foi interpretada de maneira explícita como uma forma de dizer pouco e insinuar muito.

A presidente Dilma Rousseff na cerimônia de entrega do relatório final da Comissão Nacional da Verdade. Foto: Alan Sampaio/iG Brasília

A presidente Dilma Rousseff na cerimônia de entrega do relatório final da Comissão Nacional da Verdade: “A verdade liberta daquilo que permaneceu oculto”. Foto: Alan Sampaio/iG Brasília

“Conhecer a verdade não significa reagir”

O relatório da CNV, instituída em 2011 para investigar as violações de direitos humanos cometidas por agentes do Estado entre 1946 e 1988, especialmente no período da ditadura instaurada em 1964, foi entregue na quarta-feira a uma presidente emocionada e chorosa. “Nós, que acreditamos na verdade, esperamos que esse relatório contribua para que fantasmas de um passado doloroso e triste não possam mais se proteger nas sombras do silêncio e da omissão”, ressaltou, negando que o trabalho do grupo nomeado por ela tenha sido pautado pelo ódio ou pelo revanchismo. “Conhecer a verdade não significa reagir, não deve ser motivo para ódio. A verdade liberta daquilo que permaneceu oculto”.

Oculto como a própria experiência que sofreu. Por opção, discrição ou precaução, a presidente Dilma sempre evitou falar sobre a tortura sofrida durante a ditadura. Não consta o depoimento dela nem nos arquivos no grupo Tortura Nunca mais, nem no livro Mulheres que foram à luta armada, do jornalista Luiz Maklouf, duas das obras de relatos de tortura mais importantes sobre o regime militar.

Em 25 de outubro de 2001, ainda secretária das Minas e Energia do Rio Grande do Sul, filiada ao PDT e longe de sonhar em ocupar a cadeira da Presidência da República, Dilma sentou-se diante de um jovem filósofo, Robson Sávio, então coordenador da Comissão Estadual de Indenização às Vítimas de Tortura do Conselho dos Direitos Humanos de Minas Gerais (Conedh-MG). A ele revelou detalhes das sessões de humilhações sofridas em Minas.

Dilma – ou Vanda, ou Estela, ou Luíza, ou outro de seus codinomes – militava no setor estudantil do Comando de Libertação Nacional (Colina), que mais tarde se fundiria com a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), dando origem à VAR-Palmares. Tinha 22 anos. Presa em Minas, foi colocada no pau de arara, apanhou de palmatória, levou choques e socos que causaram problemas graves na sua arcada dentária.

Neste depoimento ao Condedh se soube pela primeira vez que sofreu torturas em Minas (onde, segundo ela, exerceu 90% de sua militância durante a ditadura), e não apenas no eixo Rio-São Paulo. Até ser presa no DOI paulista, Dilma percorrera o ciclo de expansão das organizações clandestinas e chegou ao DOI quando a tortura as moía. Seria libertada dois anos e dois meses depois, com as devidas marcas físicas e emocionais deixadas pelas passagens nos porões do Rio e de Minas.

Dilma é interrogada no tribunal militar em 1970, aos 22 anos

Dilma é interrogada no tribunal militar em 1970, aos 22 anos

Com a palavra, a presidente:

“Algumas características da tortura. No início, não tinha rotina. Não se distinguia se era dia ou noite. Geralmente, o básico era o choque”.

“Se o interrogatório é de longa duração, com interrogador experiente, ele te bota no pau de arara alguns momentos e depois leva para o choque, uma dor que não deixa rastro, só te mina. Muitas vezes usava palmatória; usaram em mim muita palmatória. Em São Paulo, usaram pouco este ‘método’”.

“O estresse é feroz, inimaginável. Descobri, pela primeira vez, que estava sozinha. Encarei a morte e a solidão. Lembro-me do medo quando minha pele tremeu. Tem um lado que marca a gente pelo resto da vida”.

“A pior coisa que tem na tortura é esperar, esperar para apanhar. Eu senti ali que a barra era pesada. E foi. Também estou lembrando muito bem do chão do banheiro, do azulejo branco. Porque vai formando crosta de sangue, sujeira, você fica com um cheiro”.

“Eu vou esquecer a mão em você. Você vai ficar deformada e ninguém vai te querer. Ninguém sabe que você está aqui. Você vai virar um ‘presunto’ e ninguém vai saber”, era uma das ameaças ouvidas de um agente público no período em que esteve presa. “Tinha muito esquema de tortura  psicológica, ameaças (…) Você fica aqui pensando ‘daqui a pouco eu volto e vamos começar uma sessão de tortura’”.

“Uma das coisas que me aconteceu naquela época é que meu dente começou a cair e só foi derrubado posteriormente pela Oban. Minha arcada girou para outro lado, me causando problemas até hoje, problemas no osso do suporte do dente. Me deram um soco e o dente deslocou-se e apodreceu. Tomava de vez em quando Novalgina em gotas para passar a dor. Só mais tarde, quando voltei para São Paulo, o Albernaz completou o serviço com um soco arrancando o dente”.

“Acho que nenhum de nós consegue explicar a sequela: a gente sempre vai ser diferente. No caso específico da época, acho que ajudou o fato de sermos mais novos, agora, ser mais novo tem uma desvantagem: o impacto é muito grande. Mesmo que a gente consiga suportar a vida melhor quando se é jovem, fisicamente, mas a médio prazo, o efeito na gente é maior por sermos mais jovens. Quando se tem 20 anos o efeito é mais profundo, no entanto, é mais fácil aguentar no imediato”.

“Quando eu tinha hemorragia – na primeira vez foi na Oban – pegaram um cara que disseram ser do Corpo de Bombeiros. Foi uma hemorragia de útero. Me deram uma injeção e disseram para não me bater naquele dia. Em Minas Gerais, quando comecei a ter hemorragia, chamaram alguém que me deu comprimido e depois injeção. Mas me davam choque elétrico e depois paravam. Acho que tem registros disso até o final da minha prisão, pois fiz um tratamento no Hospital de Clínicas”.

“As marcas da tortura sou eu. Fazem parte de mim”.

Resistência militar prejudicou trabalho da Comissão

Apesar do elogio público e da emoção na divulgação do trabalho final da Comissão Nacional da Verdade, nos bastidores  o Palácio do Planalto achou genéricas as recomendações do relatório final (um exemplo: a criação de mecanismos de prevenção e combate à tortura), considerou que boa parte nem sequer depende da decisão do governo federal e, na avaliação discreta do Executivo, algumas sugestões chegam a ser irrealizáveis – como a desmilitarização das polícias militares estaduais.

Algumas entidades de direitos humanos sentiram-se frustradas, como o grupo Tortura Nunca Mais, que considerou o documento “superficial”. Mas outras, como a Anistia Internacional, avaliaram que o relatório dá um “passo importante para garantir o direito à memória, à verdade e à justiça”.  O cientista político Mauricio Santoro, do escritório da Anistia Internacional no Brasil, lembra, por exemplo, que o País chegou com 30 anos de atraso em relação aos vizinhos latino-americanos, e reconhece que a comissão brasileira nasceu com menos recursos e poderes do que suas contrapartes internacionais.

Por todos os lados, uma unanimidade: o reconhecimento de que uma das dificuldades enfrentadas pela CNV foi justamente a resistência das Forças Armadas de abrir a guarda e ajudar nas investigações. Enquanto generais argentinos e uruguaios assumiram publicamente atrocidades cometidas e igualmente comissões daqueles países ajudaram a Argentina e o Uruguai a não temer abrir cicatrizes fechadas do passado, os militares brasileiros não só se fecharam em copas como atacaram ferozmente as ações da CNV e seus integrantes.

Comandantes militares imóveis enquanto a plateia aplaude sanção da lei que institui a CNV, em 2011

Comandantes militares imóveis enquanto a plateia aplaude sanção da lei que institui a CNV, em 2011

Em setembro deste ano, o Ministério da Defesa enviou ofício à Comissão Nacional da Verdade, no qual admite que agentes do Estado ditatorial cometeram torturas, mataram e fizeram desaparecer os corpos de muitos militantes. A afirmação é assinada pelo ministro da Defesa, Celso Amorim. No documento o comandante do Exército diz que não lhe cabe se manifestar sobre o tema; o comandante da Aeronáutica ressalta não poder contestar o reconhecimento das atrocidades; o da Marinha, que não consegue negar nem confirmá-lo.

Um mês antes, o Ministério da Defesa declarara à comissão que, segundo os militares, não teria havido “desvio de função nos quartéis durante o regime autoritário. O que isso significaria? Que os militares não reconheciam a prática de tortura? A jornalista Miriam Leitão questionou Amorim em seu programa na Globo News. Perguntou-lhe de forma incisiva, o ministro gaguejou, hesitou e respondeu de forma evasiva. Poucos dias depois o comandante do Exército, general Enro Peri, ordenou que seus subordinados lhe encaminhassem todas as demandas das comissões da verdade, proibindo-os de atendê-las por iniciativa própria. Para os parentes de vítimas da ditadura, o gesto revelou-se uma tentativa de obstruir as investigações sobre o regime. Em carta à presidente Dilma, pediram a exoneração de Peri. Não conseguiram. O ministro da Defesa apoiou o general.

Mais pensatas sobre tortura, torturadores e militares durante a ditadura de 1964:

Por que os militares de hoje não admitem os crimes cometidos pela ditadura? 

Quem está mentindo sobre tortura: Dilma ou os generais?

De um torturador para uma jovem: “Você vai sofrer como Jesus Cristo

“Torturador é humano, cruel e consciente do que faz”

 

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014 Literatura, Sociedade | 16:29

Segredos de justiça revelados por uma juíza especialista no fim do amor

Compartilhe: Twitter

É do escritor russo Liev Tolstói a afirmação de que as famílias felizes se parecem, e as infelizes são infelizes cada qual à sua maneira. Em Segredo de Justiça, livro lançado recentemente pela Agir (selo do Grupo Ediouro), a juíza e escritora Andréa Pachá ousa refutar a tese do autor de Guerra e paz e Anna Karenina. Com suas 45 histórias reunidas no livro – concebidas a partir de sua experiência como juíza da Vara de Família – Andréa intui que, tanto na felicidade quanto na infelicidade, cada história é única, cada dor é individualizada, “e as soluções não deveriam servir de parâmetro moral para quem quer que seja”, como escreve numa delas.

Andréa é uma juíza respeitadíssima, uma mulher de sensibilidade aguda e uma escritora de texto envolvente, humor inteligente, sutil ironia e notável compaixão. Ela consegue uma proeza ao unir ficção e realidade: revela segredos de justiça, sem violar os processos que tramitam em Varas de Família como a que a esteve durante mais de 15 anos. Andréa preserva, portanto, o direito de milhares de casais que passaram pelos seus olhos. São histórias de ficção, que emergiram de suas observações e de seu talento para transformar em literatura a riqueza do real.

Segredo de Justiça Andréa Pachá Editora Agir,  208 páginas, R$ 29,90

Segredo de Justiça
Andréa Pachá
Editora Agir,
208 páginas, R$ 29,90

Esta juíza que já se aventurou com enorme competência também pelo teatro é o que o diretor e amigo Aderbal Freire-Filho batizou de “especialista em fim do amor”. Afinal, pelas suas mãos e pelos seus juízos passaram incontáveis casais devastados pela dor do fim do amor.

A vida não é justa

Tive o privilégio de editar o seu livro anterior, publicado na primavera de 2012, também pela Agir: como Segredo de justiça, A vida não é justa também era uma espécie de literatura de não-ficção, ou reportagens de ficção, como queiram. (Edição, naquele caso, é um nome superestimado a classificar o trabalho de receber os textos prontos e primorosos e apenas reordená-los). Como este novo livro, agora editado por Carolina Chagas, o primeiro prendia igualmente a atenção do leitor do começo ao fim.

A diferença entre um e outro é que a A vida não é justa tratava mais diretamente do fim do amor. Segredo de Justiça, com os desdobramentos da vida depois do fim do amor. Concentra-se mais em como a vida continua depois, nas disputas de pensão e de paternidade, patrimônio, velhice, além de outros elementos desta fase, ainda que já presentes de passagem no primeiro.

A vida não é justa revelava a atitude angustiada de alguém sem chão que vê o seu homem ou sua mulher partir; que se depara com o fim inevitável de uma história iniciada tão apaixonada; que buscava, ainda inerte, o caminho depois do fim. Nesse conjunto, havia algumas histórias mais curiosas, como o senhor que pedira o divórcio da mulher de 65 anos, depois de descobrir que ela entrava na internet, cheia de tesão virtual, sob o pseudônimo de “Molhadinha 25”.

Segredo de justiça é um livro mais melancólico, porém talvez mais maduro e revelador da complexidade humana. A autora se choca, e o leitor também, com as disputas renhidas entre ex-casais, quase invariavelmente machucados pela separação. Assistimos, assim, aos registros de imaturidade afetiva, insensatez, egocentrismos. Vemos quão rara é a generosidade nesses casos presenciados pela narradora. “Eu só queria entender quem é essa pessoa sentada aqui, na minha frente”, diz uma atônita personagem diante da juíza e do homem com quem dividiu a vida por tantos anos. “Não acredito que você se transformou nesse lixo, Rico”.

Compreensível pela falência dos amores que pareciam eternos? Justificáveis porque os casais estão ali não para celebrar a alegria de estar juntos, mas para marcar o fim de sua união? Talvez. O que fica claro, é certo, é o tamanho e a forma da judicialização da vida – o quanto as pessoas esperam que a Justiça recomponha o que o amor acabou. E como não conseguem, saem dali com a sensação de injustiça reafirmada.

A juíza e escritora Andréa Pachá: a dor é individual, mas somos repetições nos afetos e nos desamores

A juíza e escritora Andréa Pachá: a dor é individual, mas somos repetições nos afetos e nos desamores. Foto: Divulgação

A juíza-terapeuta

Com a sabedoria, a sensibilidade, a razão e a experiência, a juíza-escritora-narradora tenta prometer que a dor passa. A vida segue, as pessoas se transformam, e a dor passa. E é aí que se retoma o dilema acertadamente apontada por Tostói: a dor individualizada. Nisto Segredo de Justiça concorda: não há dor maior do que a experiência individual.

Em várias histórias, a juíza é não só uma conciliadora mas alguém em busca de redução de danos. A uma mulher que lhe conta que “fez um câncer” e foi abandonada pelo marido, ela responde: “Não, não fez, não foi você que causou essa doença maligna ao ser abandonada, não se culpe por seu sofrimento”.

Não por outra razão, o filósofo Renato Janine Ribeiro, que apresenta o livro, mostra que Segredo de Justiça não se preocupa com a felicidade nem com a justiça, mas com a verdade. Diz ele:

“A vida não é justa: pessoas que foram boníssimas, que de tudo fizeram para serem ótimos companheiros ou genitores, nem sempre são reconhecidas ou premiadas – assim como quem foi ou é mau conhece, tantas vezes, o sucesso. A vida é indiferente à justiça. Pessoas ótimas padecem, pessoas más florescem.”

Felicidade, para Andréa Pachá, não está no rol dos direitos. Muito menos é uma obrigação. Para ela, abraçando a causa de bons filósofos, compreender nossa humanidade nos faz mais responsáveis pelo nosso destino – e isso significa reconhecer e encarar as dores e os sofrimentos. E reinventar-se para tanto. O agravamento da dor se deve em grande parte pela idealização da perfeição, incluída aí a idealização do amor e do casamento.

Há um paradoxo aí, e Andréa Pachá reconhece: a dor pode ser individualizada, mas somos todos iguais. Na alegria e na tristeza. Explica-se: há pouca originalidade nas nossas contradições, nos nossos afetos, nos nossos amores e desamores. Como ela diz, “somos todos, de alguma forma, repetições de histórias contadas por tantos quanto os que nos enxergam”. Alegrias extremas e tristezas profundas, portanto, compõem essa “montanha russa” de existência em que embarcamos todos: “humanos, desamparados e esperançosos”.

Amor traz dor, mas sem amor é paz de cinzas

Andréa Pachá não cita explicitamente, mas intuo que ela concorda com a existência de outro paradoxo: ao mesmo tempo em que precisamos negar esta idealização excessiva do amor romântico e da felicidade, sob pena de uma vida de frustrações e de peso demasiado sobre o outro, também não podemos abdicar de uma aspiração mais elevada, ou desumanizamos nossos afetos.

Pode-se adotar uma visão cética do amor, como o psicanalista Contardo Calligaris, para quem uma das boas razões para se casar é a seguinte: uma vez casados, podemos culpar o casal por boa parte de nossas covardias e impotências.

O marido, por exemplo, pode responsabilizar mulher, filhos e casamento por ele ter desistido de ser o aventureiro que ainda dorme, inquieto, em seu peito. A mulher tem a quem culpar por jamais ter tornado realidade o sonho romântico de amor avassalador e irresistível, do qual elas desistem por causa do marido, filhos e casamento.

(Dom Quixote se queixa de que sua mulher esconde seu livros de cavalaria e o impede de sair à cata de moinhos de vento, e Madame Bovary lamenta que seu marido esconde seus livros de amor e a impede de sair pelos bailes, em busca de paixões sublimes e elegantes.)

Pode-se, por outro lado, recorrer a uma perspectiva mais lírica, como a de José Miguel Wisnik, que uma vez se perguntou: “É permitido dizer que o mundo é pobre para quem jamais foi doente o bastante para a paixão?” Para Wisnik, o acorde entre o desejo de permanência (onde se inscreve o amor) e o fato de que essa permanência não pode se apoiar em nada senão no seu próprio desejo de permanência é um desafio aberto. Um luta constante.

Entre um e outro, pode-se recorrer novamente a uma ideia, já citada aqui, do psicanalista Jurandir Freire Costa, em seu livro Sem fraude nem favor: estudos sobre o amor romântico: “Sem amor estamos amputados de nossa melhor parte. A vida pode até ser mais tranquila e livre  de dores quando não amamos. Mas trata-se de uma paz de cinzas”.

Andréa Pachá sabe – e mostra muito bem em Segredo de Justiça – que se pode buscar uma vida mais feliz e mais justa, como lembra Janine Ribeiro, mas nunca uma vida plenamente feliz e justa. Sempre a pequenos passos. Com seus sabores e dissabores inevitáveis.

Para ler mais sobre o tema na coluna:

Aprenda a amar como os franceses

Os homens ainda podem sentir? 

Solução de um filósofo contra o fracasso do casamento: o “amor suave”

Tem um amor não correspondido? Escreva um livro

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 19 de novembro de 2014 Educação, Literatura | 08:00

Livro traz sedução, brasilidades e os temperos da Bahia de Jorge Amado

Compartilhe: Twitter

Quando Ana Maria Machado recebeu o convite para ministrar aulas sobre um escritor brasileiro em Oxford, teve de realizar uma decisão entre quatro opções: Machado de Assis, Graciliano Ramos, Clarice Lispector e Jorge Amado. O escolhido foi este último e o resultado da experiência é o livro Romântico, Sedutor e Anarquista, publicado recentemente pela Companhia das Letras.

Romântico, sedutor e anarquista Ana Maria Machado Companhia das Letras 144 páginas, R$ 34,90

Romântico, sedutor e anarquista
Ana Maria Machado
Companhia das Letras
144 páginas, R$ 34,90

Para quem desembarcou agora no mundo da literatura, convém informar: Ana Maria Machado é membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), que presidiu de 2011 a 2013. Tem mais de cem livros publicados, entre romances e ensaios, como Recado do Nome (1976), sobre Guimarães Rosa. É conhecida especialmente pelos livros de literatura infanto-juvenil, tendo recebido o prêmio internacional Hans Christian Andersen pelo conjunto da obra infantil.

O curso na Universidade de Oxford é parte de um acordo entre esta e a ABL. Todo ano um membro da Academia passa um trimestre na universidade inglesa ministrando aulas, palestras e seminários sobre um dos quatro autores que fazem parte do currículo de letras modernas.

Ana Maria Machado comenta a opção por Jorge Amado em seu capítulo “Uma escolha natural”. Foi, na verdade, o segundo nome que passou pela cabeça da autora. O primeiro foi Clarice Lispector, uma mulher, como ela. Vários motivos fizeram-na rejeitar essa opção. Um deles é a divulgação internacional que Clarice já tem no meio acadêmico. Outro, ela confessa, é o universo “opressor e angustiante, pesado e tenso” da obra com a qual teria de conviver.

A autora acabou optando por mergulhar na Bahia e nas brasilidades de Jorge Amado, “em nome do puro prazer”. Ela viu a necessidade de levar a Oxford um escritor brasileiro que não é tão estudado fora do País, diferentemente de Clarice ou Guimarães Rosa. O fato de o autor ter ocupado uma cadeira na ABL também foi levado em consideração.

Machado percebe uma resistência por parte das universidades, nacionais e internacionais, e também no Ensino Médio, para estudar a obra de Jorge Amado.  À Pensata, ela disse notar que o desconhecimento do autor aumentou nos últimos anos. “Já encontrei numa plateia de 72 estudantes de letras a surpreendente constatação de que nenhum deles, jamais, havia lido Jorge Amado”, contou.

Seu livro levanta algumas possíveis explicações para essa rejeição. Entre elas, estão acusações sobre um conteúdo machista e às vezes racista em sua obra. A autora refuta essas críticas com exemplos de personagens, como Grabriela (Grabriela, Cravo e Canela) e Tieta (Tieta do Agreste), que, longe de serem mulheres oprimidas, são senhoras de seus próprios desejos, destacando a força do feminino.

Quanto à discussão sobre racismo, alguns leitores criticam, por exemplo, o fato de Pedro, líder do grupo em Capitães de Areia, ser o único louro. Ou o fato de Dona Flor morrer de amores por Vadinho, louro. Machado trata esses personagens e a relação que mantêm entre si como fruto da miscigenação. “Os sangues misturados são o milagre maior que Jorge Amado celebra”, afirma, em seu livro.

Na experiência em Oxford, os alunos são expostos a uma literatura não muito conhecida por eles. “Foi uma descoberta empolgante, mais que uma leitura crítica”, diz. Além disso, ela conta que o livro teve uma recepção animada por Zélia Gattai, esposa de Jorge Amado.

 

Anarquia e Romantismo

Machado levanta uma série de rótulos sob os quais Jorge Amado foi classificado e que teriam contribuído para gerar mal entendidos, como “proletário”, “realista”, “socialista” e “revolucionário”.

A escritora carioca Ana Maria Machado. Foto: Bruno Veiga

A escritora carioca Ana Maria Machado. Foto: Bruno Veiga

Para o crítico José Maurício Gomes de Almeida, Jorge Amado tem aproximação muito maior com o anarquismo do que com outros rótulos que já recebeu, um anarquismo de raiz romântica. “O herói de Jorge Amado é um rebelde que não admite os mecanismos repressores da sociedade”, diz Almeida, citado no livro.

E em meio a esses rótulos, Machado percebeu que a maioria dos leitores de Amado tinha um livro preferido do autor na ponta da língua. É o que ela relata no capítulo “Qual é o seu Amado?”. A autora propôs a pergunta a conhecidos e, durante meses, questionava os públicos de suas palestras e colhia o resultado.

Algumas respostas foram óbvias, como defensores do socialismo preferirem os livros da época em que Amado era do Partido Comunista, e adolescentes escolherem as obras em que o erotismo está mais presente. Outras preferências não foram tão previsíveis, como o executivo que se espelha em Tieta do Agreste ou o militante de esquerda que admira os coronéis do cacau em Terras do Sem-Fim.

Machado também tem seu Amado favorito: Tenda dos Milagres, obra à qual ela dedica todo o seu último capítulo, discutindo a mistura de raças e de credos que o autor colocou nesse livro.

 

Carnaval e sedução

A sedução é um elemento que permeia as obras de Jorge Amado, em diferentes gradações. Está em personagens como Tieta e Gabriela, que exalam erotismo em cada capítulo. Está na sedução recatada de Lívia, a mulher de família que espera pelo marido em “Mar Morto”. Está no cortiço de “Suor”. Está no amor que se aprende na rua em “Capitães de areia”. Está nos sabores da Bahia que Dona Flor ensina, apesar das tristezas.

Machado discute a “sociedade carnavalizante” que Jorge Amado propôs, baseada na amizade e igualdade social, sem se esquecer do erotismo e do bom humor. Esse aspecto da obra de Amado recebeu comentários ácidos de críticos que acreditavam que o autor havia esquecido o engajamento com o socialismo e teve uma “súbita conversão capitalista”, passando a pintar uma Bahia de cartão-postal povoada por mulatas sensuais.

A carnavalização, para o antropólogo Roberto DaMatta, ocorre em Jorge Amado a partir do momento em que heróis idealizados e exemplares dão lugar a heróis marginais, movidos pela amizade, pelo amor à vida e pela luta contra os preconceitos da elite. Seria, dessa forma, não uma falta de engajamento, mas uma mudança de perspectiva, novas cores sobre os mesmo problemas sociais. A carnavalização é uma espécie de “utopia amadiana”.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

terça-feira, 18 de novembro de 2014 Jornalismo, Literatura | 10:02

Em “Nem a morte nos separa”, jornalista retrata a luta do seu filho contra o câncer

Compartilhe: Twitter

Num dia você está no paraíso ao lado de seu filho de 21 anos. No outro, mergulha nas sombras, de mãos atadas, sem poder salvar-lhe a vida. O que fazer diante do desespero aterrador frente ao sofrimento do garoto? No livro Nem a morte nos separa, o jornalista Ricardo Gonzalez relata a experiência do calvário vivido ao lado do filho – dez meses entre a descoberta do câncer, as errâncias médicas, o doloroso tratamento e a morte de Rafael, um soberbo garoto de 21 anos que encarou a doença com a maturidade e a racionalidade de poucos. Gonzalez lança e autografa seu livro hoje, terça-feira, na livraria Argumento, do Leblon, zona sul do Rio, a partir das 18h.

Nem a morte nos separa Ricardo Gonzalez Editora Mauad 232 páginas, R$ 54

Nem a morte nos separa
Ricardo Gonzalez
Editora Mauad
232 páginas, R$ 54

Um dos mais talentosos e éticos jornalistas esportivos do País, com passagem pelas principais redações brasileiras (entre as quais O Globo, Jornal do Brasil, Folha de S.Paulo e O Dia), Ricardo Gonzalez é hoje editor de texto do canal SporTV. Boa praça, ele consegue exibir simultaneamente a altivez aguerrida de um espanhol e a emotividade esparramada e sensível de um brasileiro. E o faz com galhardia e beleza tanto numa redação, onde colecionou uma pletora de amigos, quanto no livro que acaba de lançar. Das duas formas, tocante.

Com orelha assinada por Lucinha Araújo, a incansável mãe de Cazuza, Nem a morte nos separa é um livro a ser lido com o coração na mão. São “bytes de dor”, na feliz expressão com que Lucinha encerra seu texto de apresentação do livro, capazes de amolecer os leitores mais empedernidos, pais presentes ou futuros. Lucinha lembra:

“Existem aqueles que se trancam dentro da dor, como João meu marido fez, e os que vasculham os escombros à procura dos vestígios de um futuro que se foi. Encontrei no relato de Ricardo Gonzalez a mesma perplexidade, dor, desespero e incredulidade com os quais convivo. Ele descreve como seu mundo foi ruindo como um terremoto. O medo inicial, o momento em que tudo parece parar e tentamos fazer um balanço dos estragos e, quando nos damos contato, a casa cai sobre nossa cabeça. Os sintomas, as idas a vários médicos que viram num jovem de 21 anos gânglios nada preocupantes, a falta de diagnóstico, o dia em que encontrou o filho numa emergência médica sentado numa cadeira de rodas, o diagnóstico de câncer e a perda.”

A saudade

A perda – essa é profunda, e Gonzalez não teme retratá-la em seu sentido mais pleno nas 232 páginas que compõem o livro. Impossível não recordar a máxima eternizada por Chico Buarque na música “Pedaço de mim”, em que ele oferece talvez a definição mais precisa da palavra saudade – curiosamente esta palavra que só existe na língua portuguesa (Gonzalez tem origem espanhola). “A saudade”, escreveu Chico, “é arrumar o quarto do filho que já morreu”.

Rafael, o filho do jornalista, morreu de câncer linfático, aos 21 anos de idade, em 2010. É um câncer que ataca brutalmente o sistema imunológico do paciente. Como lembra o autor, trata-se de uma doença perversamente democrática: não escolhe endereço, nem classe social, cor, gênero ou idade. Em várias passagens do livro, o autor e pai revela sua perplexidade e inconformismo com a iminência da morte do filho tão jovem, com uma vida inteira para ser vivida.

Hoje deve passar-lhe pela cabeça outro verso, de Fernando Pessoa, que se refere a uma “saudade imensa de um futuro melhor”. A “saudade do futuro” deve ser mais dolorosa quando o futuro era mais futuro, sobretudo quando pai e filho exibiam um amor e uma amizade especiais, o tipo de dupla que se comunica até mesmo sem palavras, em gestos entregues num “amor infinito”, como define o autor.

Amor infinito

Não é filosofia paterna barata, convém esclarecer. Um dos maiores filósofos da atualidade, o francês Luc Ferry, enxerga esse tipo de entrega como um novo humanismo para o século XXI, dando ao amor um sentido central na existência. Segundo ele, muitos homens já sacrificaram suas vidas em guerras em nome de Deus, da nação, da revolução, da liberdade. Mas poucos morreriam hoje – pelo menos no mundo Ocidental – por Deus, pela pátria ou pela democracia. São ideais que no passado deram sentido à vida mas que hoje estão em declínio. Ainda é possível, porém, morrer por alguém que se ama.

Pergunte a um pai ou uma mãe verdadeiramente ligado a um filho ou uma filha se preferiam estar no seu lugar na hora do encontro com a morte.

Não por outra razão, talvez, Gonzalez escreveu o livro com dois veios. De um lado, como uma homenagem a Rafael; de outro, como um grito de alerta a outros pais. Como quem diz: amem seus filhos o máximo que possam. Entreguem-se. Antecipem-se à dor deles. Pois o fim de tudo pode estar no minuto seguinte.

Travessia

Nem a morte nos separa é um livro tocante, mas há passagens difíceis de atravessar. Chora-se junto com seus protagonistas. Como no momento em que os pais, desesperados, são consolados pelo filho doente e racional.

Choca-se e se revolta também, ao acompanhar a incrível passagem em que um residente do “hospital cinzento” – como a família chama o hospital – é escalado para informar mãe e filho da desistência de prosseguir adiante no tratamento quimioterápico.

Emociona-se e chega-se à torcida inútil pela cura, quando vão a São Paulo para uma derradeira tentativa junto a um médico competente e arrogante.

Desaba-se no momento da partida.

Exaure-se.

E se você tiver um filho, interrompa o quanto antes a leitura – na dúvida, para aproveitar sua companhia mais um pouco antes de voltar ao trabalho. Afinal, como o livro de Ricardo Gonzalez nos mostra, o tempo, assim como a saudade e o amor, podem ser encantadores, mas às vezes revelam-se angustiantes.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 29 de outubro de 2014 Literatura | 11:55

Quase romance recria sete quase encontros com a morte

Compartilhe: Twitter

Um quarto de hospital pequeno, escuro e frio. Não se sabe quem é o doente nem qual a doença em questão. É assim, in media res, que tem início O oitavo selo, de Heloisa Seixas, lançado recentemente pela Cosac Naify.

Em O oitavo selo, ela conta sobre as situações entre a vida e a morte pelas quais passou o jornalista e escritor Ruy Castro, com quem é casada. Misturando ficção e não-ficção, o resultado é o que a própria autora chamou de “quase romance”. São episódios em que o escritor teve de encarar, direta ou indiretamente, a morte.

O oitavo selo Heloisa Seixas Cosac Naify 192 páginas, R$ 39,90

O oitavo selo
Heloisa Seixas
Cosac Naify
192 páginas, R$ 39,90

Heloisa Seixas é autora de livros de ficção, entre romances e contos, como A porta (Record, 1996) e Pérolas absolutas (Record, 2003), ambos finalistas do prêmio Jabuti, uma das principais premiações literárias no Brasil. É autora também de O lugar escuro (Objetiva, 2007), livro de não-ficção que trata do mal de Alzheimer de sua mãe.

Os “sete selos” de seu novo livro são uma referência a uma das principais obras do cineasta sueco Ingmar Bergman, O sétimo selo. No filme, o personagem principal tem um encontro com a Morte, que anuncia o fim próximo. A fim de ganhar tempo, o personagem propõe um jogo de xadrez, que vai se estendendo ao longo do filme.

Além de conversas com o cinema, a autora buscou referências também na música e na própria literatura. Uma delas é o livro das Mil e uma noites, em que Sherazade conta histórias para o sultão, que matava as mulheres com quem se casava logo após as núpcias. Contar histórias, portanto, foi a forma que Sherazade encontrou para enganar a morte.

“Esses fantasmas permeiam o livro todo e a vida de todos nós: o medo da morte”, explica a escritora. Alguns dos confrontos com a morte contados no livro são também momentos de intensa produção literária para Ruy Castro. “É como se ter um livro incompleto fosse uma ‘desculpa’ para não se deixar morrer”, conta.

A gestação do livro, desde a ideia até a finalização, durou cerca de um ano e meio. A seguir, Heloisa Seixas fala sobre esse processo e o resultado final.

***

De que forma ficção e realidade se misturam no texto?
Não adianta procurar as fronteiras. O limite entre ficção e realidade é incerto, e eu quis que fosse assim. Isso me deu total liberdade, porque não é fácil você escrever sobre o passado de uma pessoa tão íntima sua, sendo um passado do qual você não fez parte. E isso se aplica aos três primeiros capítulos.

Em que momento você decidiu escrever o livro?
Eu sempre admirei a energia do Ruy (Castro), a capacidade dele de se jogar no trabalho e de dar a volta por cima das armadilhas do destino. Intimamente, eu o comparava à Sherazade, a personagem das Mil e uma noites que conta histórias para não morrer. O Ruy também me parecia assim: sempre com um livro por terminar. Enfim, eu já tinha essa ideia no fundo da cabeça quando, em uma conversa com a escritora Guiomar de Grammont (durante a Flip de 2012), ela começou a falar em “mitos eróticos” e citou Sherazade. Aí a ideia apareceu inteira na minha cabeça. Logo veio a constatação de que Ruy tivera sete confrontos com a morte e, em consequência a ideia de dividir o livro em “selos”.

A escritora Heloisa Seixas. Foto: Bruno Veiga

A escritora Heloisa Seixas.
Foto: Bruno Veiga

Ao longo do livro, há diversas menções ao cinema (a começar pelo título), à música e à própria literatura. Fale um pouco sobre essas fontes e como elas inspiraram o trabalho.
Assim que eu percebi que os confrontos eram sete, logo me veio à mente a lembrança do filme O sétimo selo, de Bergman, justamente por ser a história de um homem que tenta negociar com a Morte, jogando xadrez com ela. Isso também se encaixava na história do Ruy. As demais citações vieram naturalmente, já que Ruy (e eu também) vive cercado de filmes, livros, música.

Os títulos dados aos selos fazem um passeio pelo corpo humano. Comente essa escolha.
As duas ideias surgiram para mim de forma simultânea. Os livros são assim, eles se escrevem, cada um de uma forma peculiar. Assim que eu percebi que eram sete confrontos, e que chamei esses confrontos com a morte de “selos”, ou marcas, eu percebi que cada um se referia a um elemento do corpo. Não havia repetições, eram elementos diferentes: sangue, nariz, fígado, língua, coração, sexo e cérebro. De repente, tudo se encaixou.

Escrever sobre o sofrimento do marido pressupõe revivê-lo. Quais foram as dificuldades nessa revisita à dor real para recriá-la de forma quase ficcional?
Foi difícil não só pelo sofrimento envolvido, mas também pelas cenas de sexo e sedução, pertencentes a um passado do qual eu não participei. Mas a partir do momento em que você se deixa levar pela ficção, deixa a mão correr livremente, aí já não é mais do seu marido ou de qualquer pessoa de carne e osso que você está falando. Vira um personagem mesmo. E você fica livre para escrever o que quiser, sem medo.

No final do livro, existe menção a um período que foi esquecido, o que faz lembrar o seu livro O lugar escuro. Qual a relação entre este e O oitavo selo?
Os fatos narrados em O lugar escuro (aí, sim, todos reais) aconteceram simultaneamente aos últimos “selos” do Ruy. Foi muito difícil para mim, claro. Eu, que me acho uma pessoa frágil, nada corajosa, tive de enfrentar tudo ao mesmo tempo. Mas foi um aprendizado, para mim. E para o Ruy também, claro.

Enquanto o prólogo começa já em um ambiente de hospital, algumas explicações vêm somente no final. Como foi a construção da estrutura do livro?
Pensei nos confrontos, pensei nos selos. E comecei a escrever, sempre misturando real e ficção. Escrevi na ordem em que aconteceram, na ordem em que estão no livro. O prólogo é extraído de um dos selos, o que ficará claro quando chegar a hora. Uma vez criada a estrutura inicial, não houve mudanças.

Em algumas partes do livro, o texto é interrompido para dar lugar a outro. A mulher e o homem deixam Heloisa e Ruy falarem. Como foi o processo de inserir essas falas no livro?
Essa ideia também surgiu naturalmente. Eu fiz algumas entrevistas com o Ruy, sobre acontecimentos da infância e da juventude dele, da época em que eu não o conhecia. Para usar ou não no livro. Aí veio a ideia de misturar essas vozes. Mas quem pensa que aquelas respostas, as vozes do Ruy e da Heloisa, são o real, pode se enganar. Há tintas ficcionais também nessas respostas.

Como foi trabalhar temas difíceis, como drogas e o alcoolismo?
São assuntos fáceis para mim, já que nunca enfrentei nada parecido. O mais difícil foi falar sobre o medo, aquele lobo que estava sempre à espreita, o tempo todo, durante a narrativa.

O homem de O oitavo selo escreve por necessidade. Você também sente essa necessidade de escrever?
Sem dúvida. Quando acabei de escrever O oitavo selo senti um alívio tão grande, uma tal leveza, que fiquei pensando: eu também escrevo para não pensar na morte. Donde, eu também sou Sherazade.

Você tem novos projetos em andamento?
Muitos! Ainda estou às voltas com a minha peça O lugar escuro (que escrevi a partir do livro) e que está em sua segunda temporada, agora viajando. Vamos nos próximos dias 31 de outubro, e 1 e 2 de novembro, fazer apresentações em Fortaleza, na Caixa Cultural. No dia 24 de novembro, haverá uma leitura dramática de uma nova peça que escrevi, É proibido envelhecer, no Centro Cultural Midrash, no Rio de Janeiro. Em dezembro, ocorre o lançamento do livro infantil A grande Pequena Notável, que fiz em parceria com minha filha, Julia Romeu (uma biografia da Carmen Miranda para crianças). E em janeiro estreia um novo musical que escrevemos, também eu e a Julia, chamado Bilac vê estrelas, com músicas do Nei Lopes e direção do João Fonseca.

Autor: Tags: , , , , , , ,

quinta-feira, 23 de outubro de 2014 Política | 13:52

Uma nova jabuticaba a propor para Dilma e Aécio: um marco regulatório das conquistas sociais

Compartilhe: Twitter

Eis aqui uma imodesta sugestão aos eleitores indecisos, aos partidários do PT e do PSDB, aos formuladores de seus programas de governo e, claro, aos próprios candidatos Aécio Neves e Dilma Rousseff: leiam o artigo O marco regulatório das conquistas sociais – A jabuticaba e o ajuste dos rentistas, de Luiz Cesar Faro e Rubeny Goulart. Ocupa 13 páginas da última edição da revista Insight-Inteligência, cuja versão em blog é parceira do iG.

Como o próprio título revela, o artigo propõe um marco regulatório das conquistas sociais: a criação, para o próximo governo, de metas sociais a serem perseguidas paralelamente à saúde macroeconômica. Um tripé social ao lado do badalado tripé macroeconômico.

capa66Bons na forma e no conteúdo, os autores sugerem inverter a ordem do modelo vigente no Brasil. Nele, as variáveis fiscal, monetária e cambial, além da gestão microeconômica, se adequariam à preservação das conquistas sociais, e não o contrário. (Com razão, eles entendem como conquista social uma inflação controlada em patamar razoável, no nível, por exemplo, das metais atuais.)

O artigo parte do pressuposto do cientista político Wanderley Guilherme dos Santos, para quem “vivemos em um mundo de antipatia pelo social”, para defender a necessidade de construir um modelo de social target, “sistematizá-lo, protegê-lo e regulamentá-lo à luz das premissas dadas”.

Antes que as gralhas gritem, não se trata da constitucionalização de certos benefícios, repetindo o engessamento do que foi feito em 1988 com o contingenciamento de recursos no orçamento, tornando imutáveis certas prioridades. Também convém esquecer o superficial e rarefeito debate restrito à manutenção ou não do Bolsa Família. Bobice. A questão social brasileira é muito mais profunda.

O artigo é, acima de tudo, uma defesa ardente do que se convencionou chamar de “democracia social”, mas que no texto da revista ganha o epíteto de “economia da democracia social” – segundo a dupla de autores, “algo mais tenro, ainda em busca de sistematização, pertencimento e proteção”. Para eles, o principal benefício dessa economia humanizada “é a combinação entre aumento do bem-estar do povo, distribuição de renda e fortalecimento da democracia”.

Acrescentam: a economia da democracia social é um modelo híbrido, capaz de integrar “suaves matérias-primas da social-democracia de inspiração nórdica com espesso molho de jabuticaba, carregado de políticas de inclusão social, sobre as quais estão assentados o crescimento do salário mínimo real, taxas de desemprego baixas e um processo crescente de distribuição de renda, todos sem perder de vista o imperativo de um controle da inflação em um nível satisfatório”.

Uma nova métrica para avaliar a economia

A dupla lembra a inexistência de hoje de um índice ou coeficiente desta cesta de conquistas sociais calculado até os dias de hoje, embora proliferem métricas sobre felicidade e satisfação. Se existisse, o Brasil estaria em posição bem melhor do que os famosos rankings de competitividade global e, claro, os rankings globais de crescimento do Produto Interno Bruto.

Explica-se: dados oficiais apoiados exclusivamente em soma de riquezas (como o PIB), produtividade e eficiência econômica (competitividade global) torturam a realidade ao ignorar, por exemplo, melhorias significativas na remuneração da população (de baixa e média renda), na proteção social e na redução da desigualdade.

Tome-se o PIB, por exemplo. O Brasil sangra diante de países como Panamá, Bulgária, Paraguai, Haiti e Nicarágua, para citar os verdadeiros “tigres latino-americanos”. De acordo com as agências de classificação de risco, estamos na vice-lanterna, somente acima da Ucrânia. Grécia, Portugal e Espanha caíram menos no ranking que o Brasil, sublinha o artigo, e por isso devem estar muito felizes, todos com salários decrescentes, desemprego na casa dos 12%, pobres procurando fontes de renda como quem busca oxigênio e juventude desesperançada.

Enquanto isso, o Brasil do PIB magrinho e sofrível (mesmo mantendo-se como o sétimo PIB do mundo) se vê com a taxa de desemprego abaixo de 5%, algo notável até mesmo para os mais elevados padrões mundiais de pleno emprego. Em nove anos, como lembra a insuspeita Fundação Getulio Vargas, os 60% mais pobres da pirâmide social cresceram seis pontos percentuais na renda nacional, enquanto os 1% ais ricos, apenas um ponto – algo revolucionário.

Entre os famosos Brics, o Brasil foi o único a não exibir números exuberantes em matéria econômica que o “mercado” adora (crescimento alto e inflação baixa), mas foi o único que conseguiu ampliar a distribuição de renda, segundo estudo da igualmente insuspeita OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

O mesmo estudo avaliou o enigma da superprodutividade dos países da Ásia e da Região Oceânica do Pacífico. Na maioria deles, o grande crescimento econômico não foi transformado em distribuição de renda e políticas sociais relevantes. Já vimos esse filme antes nos plúmbeos anos do milagre econômico brasileiro – aqueles em que a economia ia bem, e o povo ia mal, nas palavras do ex-presidente Emílio Garrastazu Médici.

O marco regulatório

Faro e Goulart propõem um bicho de sete cabeças: um índice de crescimento necessário para a proteção dos avanços obtidos por meio da economia da democracia social. Seria algo como o “PIB de equilíbrio para manutenção das políticas sociais”.

A dizer: “a soma de riquezas capazes de atender as despesas com o crescimento do salario mínimo real, a taxa de desemprego próxima do pleno emprego e a distribuição de renda com inclusão social, além da poupança dirigida às necessidades de sempre voltadas ao crescimento do capital”. Em outras palavras, como diz a professora Maria da Conceição Tavares, não se trata mais de PIBão, nem de PIBinho, mas sim, o PIB no qual caibam as exigências de uma sociedade mais justa.

Como os autores afirmam, uma proposta com gosto de limonada amarga para os rentistas mais inveterados. Fica o desafio: criar uma métrica que incorpore esse tripé da economia da democracia social na soma das riquezas totais. Para quem gosta de pensar em inglês, substituir o alquebrado development target de hoje pelo social target, que perseguiria o tríptico do salário em alta, distribuição de renda e baixo desemprego.

Campanha eleitoral arrogante e sem criatividade

A ideia traz um pouco de inventividade à reta final de uma campanha que padeceu da falta de luz criativa. “Nos programas de campanha eleitoral”, lembram eles com propriedade, “o que se tem ouvido, invariavelmente com exuberante arrogância, é que tudo se cala em face da irrefutabilidade e da imponência do tripé da política macroeconômica – sistema de metas ide inflação, câmbio flutuante e uma política fiscal compatível com a sustentabilidade da dívida pública – e que o social será aquele que couber no fiscal”. Um determinismo da economia política asfixiante para quem considera que as políticas devem estar voltadas para que a população viva melhor.

A democracia social, conclui o artigo, do ponto de vista de quem governa, antes de ser ideológica, está no terreno da sabedoria política. À coluna, informa Luiz Cesar Faro: o artigo se dirige ao PT e ao PSDB. Vale para um futuro segundo governo Dilma, ou um novo governo Aécio. Serve para quem abraçar a causa do marco regulatório das conquistas sociais e perceber, com sensibilidade, que bem-estar dá voto.

Em tempo: para ler e degustar na íntegra as ideias e o primor do texto de Luiz Cesar Faro e Rubeny Goulart, acesse aqui.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 20 de outubro de 2014 Jornalismo, Política | 11:12

15 frases para falar mal da política, segundo Millôr

Compartilhe: Twitter

Numa campanha presidencial tisnada por debates amuados, ataques de alto, médio e baixo calibre, além de ódio e intolerância por parte das torcidas organizadas e desorganizadas, nada como resgatar o bom humor de Millôr Fernandes.

Do livro Millôr 100 + 100 – Desenhos e frases, editado pelo Instituto Moreira Salles (depositário de sua obra), extraem-se primorosos exemplos de sua notável (e assombrosa) criatividade, capaz de produzir, em palavra e imagem, gargalhadas abertas ou travo amargo da ironia. A coluna recolheu do livro frases sobre política, ideologia, corrupção e democracia.

 

Millôr 100 + 100: Desenhos e frases Organizadores: Sérgio Augusto e Cássio Loredano Instituto Moreira Salles R$ 500

Millôr 100 + 100: Desenhos e frases
Organizadores: Sérgio Augusto e Cássio Loredano
Instituto Moreira Salles
R$ 50

Lançado na Flip deste ano, o livro reúne 100 frases selecionadas por Sérgio Augusto e 100 desenhos escolhidos por Cássio Loredano. Uma dupla genial que trabalhou à altura do gênio homenageado, autor de inesquecíveis tiradas, máximas, aforismos, pensamentos, meditações, apotegmas, gnomas, perguntas cretinas, chistes, brincadeiras, fábulas e adágios virados pelo avesso e trocadilhos infames (Um dos melhores: “Brasil, país do faturo”).

Cético, Millôr desprezava todas as ideologias (“livre como um táxi” era sua divisa favorita), o que explica muitas das frases abaixo.  Ou melhor, tiradas. Quinze tiradas.

* * *

1. Político é um sujeito que convence todo mundo a fazer uma coisa da qual ele não tem a menor convicção.

2. Os corruptos são encontrados em várias partes do mundo, quase todas no Brasil.

3. Nas noites de Brasília, cheias de mordomia, todos os gatos são pardos.

4. A ociosidade é a mãe de todos os vices.

5.  Desconfio de todo idealista que lucra com seu ideal.

6. A probidade não tem cúmplices.

7. Não gosto da direita porque ela é de direita, e não gosto da esquerda porque ela é de direita.

8. O problema da democracia é que quando o povo toma o palácio, não sabe puxar a descarga.

9. Os socialistas são contra o lucro. Os capitalistas são apenas contra o prejuízo.

10. Cada ideologia tem a Inquisição que merece.

11. Quando uma ideologia fica bem velhinha vem morar no Brasil.

12. Os pássaros voam porque não têm ideologia.

13. A credibilidade do país é inversamente proporcional aos juros que os banqueiros internacionais lhe cobram.

14. Quem se curva aos opressores mostra a bunda aos oprimidos.

15. Todo líder acaba empregado de sua liderança.

millor6

 

Autor: Tags: , , , , , , ,

domingo, 19 de outubro de 2014 Política | 13:41

Debate restrito a ataques e bate-boca irrita o eleitor. Mas só com ideias de alto nível fica chato. Qual a saída?

Compartilhe: Twitter

Em poucas horas, Dilma Rousseff e Aécio Neves voltarão a confrontar-se em novo debate, desta vez na Record. Depois dos encontros da Band e do SBT, a expectativa corrente é se ambos manterão a linha de ataques quase fratricidas ou se reduzirão o tom em busca de um equilíbrio maior entre as críticas severas a um e as propostas para o País.

Há quem acredite que, diante das reações negativas generalizadas de lado a lado, é bem possível que os dois baixem a guarda e aplaquem o ímpeto bélico. Com o perdão da obviedade, meu palpite é que os dois candidatos vão se estudar inicialmente, e os primeiros movimentos de cada um ditarão o tom a seguir. O nível de hoje dependerá, portanto, de quem vai tomar a iniciativa de ser mais ou menos agressivo, mais ou menos magnânimo.

Mas o foco desta pensata é outra. Instigado por um querido e refinado leitor da coluna, reflito: detestamos quando sai fogo do debate e quando este se restringe a ataques mútuos. Até aí ok. O debate franco, qualificado e profundo de ideias é o que de fato interessa ao País. Como afirmaram muitos blogueiros, situados à esquerda e à direita do espectro político e ideológico, estamos todos cansados de ver brigas entre Dilma e Aécio. Queremos propostas. Até aí ok também.

É lorota – “e das boa”, como diria o mestre do baião, Luiz Gonzaga – imaginar que assistiríamos sorridentes, iluminados e altivos, do começo ao fim (como se estivéssemos numa Ágora grega) a um debate de altíssimo nível o tempo inteiro. Ao contrário, ele seria modorrento, enfadonho, sonolento. A começar pela própria imprensa, que não raro descreve debates sem confrontos como “debate morno”.

Por outro lado, como sublinhou o amigo da coluna, o bate-boca é ruim para o debate, para o País e para a biografia dos próprios candidatos – mas neste caso todos assistem e comentam os momentos mais ruidosos do “confronto”.

“Qual o equilíbrio de um debate destes?”, eis a pergunta feita por este amigo, a mesma que muitos devem estar se fazendo hoje, à espera do terceiro e penúltimo debate do segundo turno. “O que está em jogo? As habilidades políticas? O passado de gestor? Afinal, o que o eleitor espera de verdade?”. São perguntas pertinentes, que provavelmente não encontram respostas únicas, tampouco consensuais. Mas ajudam a pensar se, neste tema, é pau, é pedra ou o fim do caminho.

Aécio Neves e Dilma Rousseff no debate do SBT. Foto: Reprodução

Aécio Neves e Dilma Rousseff no debate do SBT. Foto: Reprodução

Os ataques são pedagógicos. Mas até certo ponto

Com exceção talvez do jornalista Paulo Nogueira, do DCM (parceiro do iG), nenhum analista relevante enxergou méritos na agressividade dos dois primeiros encontros do segundo turno. De Josias de Souza – para quem foi o mais baixo nível de debate desde o confronto renhido entre Fernando Collor e Luiz Inácio Lula da Silva em 1989, na noviça democracia recém-descoberta – a Luis Nassif, que classificou de “circo de horrores”.

Paulo Nogueira, no entanto, acha que os debates acirrados como os dois últimos ajudam a dar clareza sobre o perfil dos candidatos. “A importância de um debate está em permitir ao leitor que conheça os candidatos. A alma dos candidatos, quero dizer”, escreveu ele em artigo.

Não só a agressividade revela a “essência do homem em si”, argumentou, como é impossível formular propostas para um país em dois minutos para o adversário rebatê-las em um minuto. “Você não discute sequer o seu casamento, ou namoro, em um minuto, que dirá os caminhos da educação ou da saúde, os remédios para a economia ou para o meio ambiente, e por aí vai. Mas em instantes, em fragmentos de instantes, você capta a alma do candidato, e isso acontece em geral em situações de tensão e confronto, quando a guarda está mais baixa e o nhenhenhém diplomático se esvai.”

Faz sentido.

Mas Dilma Rousseff e Aécio Neves não ganharão o salvo-conduto para restringirem 100% seus preciosos minutos dos debates da TV às brigas, bate-bocas, provocações, ironias. A razão: o baixo nível da campanha infelizmente não se limita ao debate, quando dispõem apenas de um minuto para respostas ou um minuto para réplicas ou tréplicas. A qualificação no ralo é generalizada; espalhou-se por quase todo o primeiro turno e tomou de assalto o segundo turno inteiro.

Em bom português: tanto nos debates da TV quanto nas entrevistas e nas inserções do programa eleitoral gratuito, trata-se de uma campanha feia e grosseira. Foram raros os instantes de brilho pessoal ou criatividade política. Quase ou nenhuma proposta capaz de distinguir-se do que tem composto o palavrório trocado entre oposição e governo.

Uma campanha feia e a campanha que não houve

Com uma pauta tão mofina assim, a taxa de abstenção, brancos e nulos tende a aumentar no segundo turno. O lamentável é que as duas candidaturas – Dilma/PT e Aécio/PSDB – têm o que apresentar, especialmente projetos de mudança em direções divergentes, porém reais.

Obviamente são necessários aí os olhares para o retrovisor, sim, comparando-se estratégias, contextos e consequências e dois modelos bastante diferentes de governar, demonstrados não só nos oito anos de Fernando Henrique Cardoso e nos dois 12 anos de Lula/Dilma, como também nas gestões estaduais tucanas e petistas.

(Ainda impressiona quando alguém afirma que PT e PSDB são mais próximos do que se imagina e deveriam caminhar juntos.)

O eleitor, porém, chega à última semana sem conseguir escapar da verborragia, de um lado, e numerologia, de outro. Pura e simplesmente. Dos mal informados radiografados recentemente pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso aos bem deformados identificados pelos seus críticos, poucos devem ter saído com uma visão clara do que de fato se imagina ser o cenário de mudanças concebido para o próximo governo – seja ele o governo reeleito de Dilma ou um novo governo tucano, com Aécio.

Até onde são mitificações ou verdadeiras as previsões sombrias sobre a economia brasileira?

A vasta leva de obras que se espalham pelo País – e sobre as quais pouco se fala – conduzirão a economia a novo patamar nos próximos anos?

Como o Brasil modernizará seu patamar de análise sobre os padrões de vida, comportamento e bem-estar, em algo que vá além do número puro e seco do Produto Interno Bruto?

Qual o equilíbrio ótimo entre eficiência econômica (que avançamos com FHC) e democracia social (cujo salto se deu especialmente com Lula), sem abdicarmos de uma e outra?

Que diferenças de planos para a educação e a inovação tecnológica existem entre os dois projetos?

Dilma e Aécio exibem condições de identificar, radiografar e dialogar com um tipo inédito de intervenção política? (Aqueles movimentos recentes constituídos pelo ajuntamento de atores menos abrangentes do que as classificações que conhecemos, como classes, corporações profissionais e grupos de interesse reconhecidos; refiro-me ao novo que se prolifera em pequenas coletividades, e sem denominador comum muito claro.)

Quais rumos o Brasil tomará em posições internacionais, cujo patamar foi reduzido após a saída de cena de Lula?

O que diferem Dilma e Aécio para sérias questões de valores da sociedade, como aborto, casamento gay, políticas afirmativas, violência contra minorias?

E em questões prioritárias como segurança pública e saúde?

Tudo isso poderia ter sido discutido sem que ambos abdicassem do necessário, pedagógico e fundamental direito de desconstruir o adversário – dos pelintras expostos na Petrobras, de um lado, às venturas e desventuras festivas, de outro.

Se tivessem buscado o equilíbrio, as duas candidaturas ainda ajudariam a aplacar a matéria-prima incrustrada no debate público atual: a intolerância com as ideias e as escolhas as alheias.

Não sairíamos tão menores do que chegamos até aqui.

 

Autor: Tags: , , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. Última