Publicidade

Posts com a Tag distribuição de renda

segunda-feira, 2 de junho de 2014 Economia | 09:37

Por que os bilionários são odiados

Compartilhe: Twitter

Capital_PikettyMaio terminou com a marca de atiçar o debate econômico do século. Ou do ano – por aí. A tradução do francês para o inglês do seu livro O Capital no século XXI alçou o professor francês Thomas Piketty, da Escola de Economia de Paris, à condição de economista mais famoso do momento. Nunca tanta gente importante escreveu em tão pouco tempo sobre uma única obra acadêmica – e o mais curioso, com um tema sobre o qual os economistas parecem enxergar como menor: a desigualdade.

No livro, resultado de 15 anos de pesquisa não só dele mas de um grupo de economistas, Piketty mostra com elegância e clareza que o mundo entrou numa espiral de concentração de renda. As pessoas e os países ficarão mais ricos. Para as nações emergentes, inclusive o Brasil, suspeita-se que crescerão a taxas menores.

Segundo Capital, o mundo caminha em direção a um capitalismo patrimonialista, com a acumulação de renda ininterrupta enquanto persistir uma taxa de retorno financeiro bem mais alta do que o crescimento da economia. Para Piketty, a dinâmica atual de acumulação e repartição de patrimônios conduz o planeta  a uma trajetória explosiva e espirais de desigualdade fora de controle.

A tese cabe numa fórmula: r > g. Simplificadamente, a fórmula informa que toda vez que a taxa de retorno sobre o capital dos investidores (“r”) é maior do que a taxa de crescimento da economia (“g”), o dinheiro herdado cresce mais rápido que a produção e os salários.

Estatística e matemática ao lado de Balzac e Jane Austen

Thomas Piketty não é o primeiro economista a sublinhar que estamos experimentando um forte aumento da desigualdade, ou até mesmo a dar ênfase ao contraste entre o lento crescimento da renda para a maioria da população e os rendimentos altíssimos no topo. Mas faz isso combinando uma incrível elegância de escrita (chega a citar Balzac e Jane Austen) com erudição acessível (algo raro entre economistas), além de um extraordinário levantamento de dados históricos, reunindo informações dos últimos 300 anos.

O que é realmente novo no livro, no entanto, é o modo como desmonta um dos mitos mais amados pelos conservadores: a tese de que o mundo desenvolvido vive uma meritocracia, na qual grandes fortunas são conquistadas e merecidas. Piketty mostra que a maior parte dos bilionários atuais têm fortuna herdada. Muito pouco resultado, portanto, do seu mérito ou de dedicação ao trabalho. Para Piketty, essa não é uma questão menor. As sociedades ocidentais, antes da Primeira Guerra mundial, eram dominadas por uma oligarquia de riqueza herdada – e seu livro argumenta, de maneira convincente, que estamos voltando a esse cenário.

No início do século XX, lembra Piketty, os 1% situados no andar de cima nos EUA e na Inglaterra ficavam com 20% da renda dos dois países. Até 1980 essa riqueza caiu à metade. A partir daí, voltou a crescer e retornou ao ponto inicial. A queda, porém, não se deveu a políticas sociais, e sim às duas guerras mundiais. A partir de 1990 as fortunas dos bilionários voltaram a crescer. Um século XXI com cara de século XIX.

Há quem ache até que um certo grau de desigualdade é economicamente saudável, pois a perspectiva de tornar-se rico claramente leva muitas pessoas a trabalhar com mais empenho. É nisso que acreditam muitos economistas liberais. E muitos ricos, certamente. O inconveniente nessa tese é quando se depara com números como os evidenciados por Piketty: a desigualdade maciça se mostra intolerável e se torna um grave risco para as sociedades. Em seu livro, o professor francês argumenta que a concentração de capital pode chegar a um nível ameaçador para o funcionamento das instituições democráticas.

Muitos aplausos, muitas críticas

O economista Thomas Piketty, autor de "O capital no século 21". Foto: Divulgação

O economista Thomas Piketty, autor de “O capital no século 21”. Foto: Divulgação

Não se desespere se você não leu as 970 páginas da edição original francesa, ou as 685 páginas da versão no inglês e segunda obra mais vendida da Amazon apenas três meses depois de ser lançada nos Estados Unidos. Pode até estar por fora do mais quente debate econômico do momento, pode fazer feio nos jantares inteligentes por não saber quem é a celebridade atual da economia global, pode perder uma das mais ricas e polêmicas análises sobre a desigualdade econômica em muitas décadas. Mas tudo isso será aplacado quando a editora Intrínseca terminar de traduzir a obra para o português.

Por ora, o leitor brasileiro que não se sente pronto para encarar essas edições pode passear pelas resenhas publicadas por grandes economistas. O Nobel de Economia Paul Krugman, professor da Universidade de Princeton, dedicou-lhe enfáticos elogios em resenha no “The New York Review of Books” e em seu blog no site do “The New York Times”. Para Krugman, Piketty escreveu um “livro verdadeiramente soberbo”, um “prodígio de honestidade”, uma obra que vai mudar tanto o modo de se pensar sobre a sociedade como a maneira de fazer economia. Escreveu ainda que “o pânico em relação a Piketty mostra que a direita ficou sem ideias”.

Outro Nobel, Robert Solow, professor do MIT, disse que Thomas Piketty “está certo”, mas sugere a necessidade de um pouco de ceticismo com o livro. Dani Rodrik, da Universidade Princeton, ressaltou que O Capital no século XXI reacendeu “o interesse dos economistas pela dinâmica da riqueza e de sua distribuição” – tema que preocupou, no passado, economistas clássicos, como Adam Smith, David Ricardo e Karl Marx.

Mas Piketty também apanhou bastante. A grita maior veio de conservadores. O mais leve xingamento foi classificá-lo de marxista (embora o próprio Thomas Piketty admita no livro que não leu O Capital, de Marx). A crítica mais enfática foi à solução dada no livro para a necessidade de redução da desigualdade em curso: uma tributação progressiva como forma de limitar a concentração de riqueza; um imposto sobre fortuna de âmbito global com alíquota de até 80% – ideia que o próprio Piketty considera ingênua e difícil de se concretizar. O Wall Street Journal comparou a defesa de Piketty ao stalinismo.

Chris Giles, editor econômico do Financial Times, escreveu que Piketty comete erros nas projeções que faz para épocas nas quais não havia informação, no método que usa para diferentes países e no uso tendencioso das estatísticas para provar sua tese central. A revista The Economist saiu em defesa de Piketty na semana seguinte: afirmou que as críticas de Giles eram questionáveis e muitos dos detratores do livro não tinham se dado o trabalho sequer de lê-lo e ignoravam que a maioria dos dados vinha do World Top Income Database, um índice que ninguém questiona.

Mas não foram só os conservadores que atacaram o livro de Piketty. A esquerda, e em particular a esquerda marxista, criticou-o severamente. Numa das críticas, longe de exagerar o estado das coisas, Piketty teria subestimado a real dimensão da desigualdade.

James Galbraith, da Universidade do Texas, escreveu que a obra tem peso e relevantes informações sobre fluxo de renda, transferência de riqueza e distribuição dos recursos financeiros em alguns dos países do mundo. Mas “não é o trabalho acabado de grande teoria que seu título, extensão e recepção sugerem”. E, sob o ponto de vista da esquerda, lembrou: “Se o coração do problema é uma taxa de retorno sobre ativos privados que está muito alta, a melhor solução é reduzi-la. Como? Aumente o salario mínimo! Isso diminui o retorno do capital que se apoia no trabalho mal remunerado. Apoie os sindicatos! Taxe os lucros das empresas e os ganhos pessoais de capital, incluindo dividendos!”.

David Harvey, outro representante da esquerda, professor da Universidade da Cidade de Nova York (Cuny), elogiou seu relato das diferenças entre renda e riqueza (“convincente e útil”, escreveu) e o modo como Piketty mostra estatisticamente que o capital tendeu a produzir níveis cada vez maiores de desigualdade ao longo de sua história (algo, diga-se, já provado no primeiro volume de O Capital, de Marx). Mas acha que tem erros sua explicação de por que surgem as desigualdades e as tendências oligárquicas; e que suas propostas quanto aos remédios são ingênuas, “se não utópicas”.

De Proust a bilionários vulgares, recuamos no tempo

O Capital no século XXI não seria uma obra importante se não inspirasse tantos elogios e tantas críticas. Acima de tudo, é um bom retrato dos problemas surgidos de uma época de ostentação de riqueza comparada à “Gilded Age” – que foi do fim do século XIX ao início do século XX. A expressão designava nos Estados Unidos uma abastança exuberante, mas superficial. Piketty, porém, fala mais na “Belle Époque” francesa. Esta teve o escritor Marcel Proust; aquela, bilionários vulgares, capazes de copiar castelos e casar as filhas com nobres europeus quase sempre falidos.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 14 de abril de 2014 Economia, Política | 08:59

Sem utopias e com violência, o ano vai ser difícil, diz a economista Maria da Conceição Tavares

Compartilhe: Twitter

A professora Maria da Conceição Tavares completará 84 anos no próximo dia 24. Ao seu modo, com um olhar sobre a economia brasileira, muitas hipérboles e uso desenfreado de palavrões, a economista costuma soltar sua birra contra os céticos – gente desabrida que, nos últimos anos, não enxergou as mudanças de um Brasil de pleno emprego, salário mínimo elevado e melhor distribuição de renda com ascensão social das bases (e lixe-se a questão se temos PIB ou “pibinho”).

Diz ter deixado de ler economia para não se irritar com o “festival de besteira”, admite possivelmente estar ultrapassada e velha e, há pouco tempo, afirmou que não dá para ser nem ultraotimista nem ultrapessimista, mas “moderadamente otimista”.

InteligenciaNum belo depoimento à revista Insight-Inteligência, no entanto, Maria da Conceição Tavares mostrou-se menos moderadamente otimista do que admite. “As pessoas estão perdidas, não sabem como se guiar do ponto de vista político, econômico”, afirmou à revista, cujo versão em blog é parceira do iG. “E com isso a história parece que não se move. O futuro fica ilegível, amorfo”.

É um desabafo a se enxergar não o estreito limite de 2014, da sucessão presidencial ou da avaliação de um governo. Antes, trata-se de um despejo de sombra sobre nossa época, o que ela chama de “era das distopias”.

A professora usa palavras conceitualmente duras para definir esses tempos fraturados (expressão emprestada do historiador marxista Eric Hobsbawn) e vê pouca luz na produção intelectual. O mundo reformista vai mal, e o mundo revolucionário também, afirma Conceição. Diz ela:

 “O pensamento social está muito atrasado, muito desminliguido. O pensamento reformista sumiu. Agora, o que há é uma espécie de naturalismo. (…) Naturalizou-se uma concepção de vida social a respeito da qual se passou um século inteiro combatendo. Mais: ao contrário do século XX, que organizou as massas, os sindicatos poderosos, organizações internacionais festejando o progresso, agora todos os interesses se fracionaram, se fragmentaram,”

Sem movimentos utópicos

Para a professora, a história não ilumina mais o futuro, na forma de uma ideologia. Desde o século XVIII, os movimentos políticos, sociais e econômicos deixaram de se orientar pela ideia de tradição, substituindo-a pela convicção de um futuro diferente e melhor. A história tinha um sentido, um objetivo, uma utopia: criar uma sociedade mais livre e igualitária.

O século XIX foi pautado pela busca da liberdade – liberdade do indivíduo, liberdade política, liberdade econômica. Depois, no século XX, veio a busca pela igualdade. Da Revolução Francesa e a promessas de liberdade do século anterior à Revolução Russa e a promessa do reino da igualdade.

Essa orientação histórica dupla – de um lado a liberdade; do outro a igualdade – acabou no final do século XX, conclui a professora. “A história deixou de iluminar o futuro para os economistas, os políticos, os ativistas”, disse ela à Inteligência. “As vanguardas desapareceram. Com o esboroamento das utopias, esvaíram-se também as ideias de socialismo, do Estado de bem-estar e o planejamento econômico”.

Ou seja, o mercado e o neoliberalismo mostraram-se incompatíveis com a ideia de sociedade organizada e de Estado planejador. Os antigos receituários perderam seu sentido. “Vemos a sociedade mexer-se, mas a forma superestrutural de fazer política parece não andar para lugar nenhum”.

Um exemplo? “Como se elege um negro nos Estados Unidos e não acontece nada?”, questiona Conceição. “Era para ter acontecido, bem ou mal, uma mudança de paradigma, de comportamento social”.

A presidente Dilma Rousseff entrega Prêmio Almirante Álvaro Alberto para Ciência e Tecnologia à professora Maria da Conceição Tavares: "Parece que tudo se esvai no arroz com feijão"

Maria da Conceição Tavares recebe da presidente Dilma Rousseff Prêmio Almirante Álvaro Alberto para Ciência e Tecnologia: “Parece que tudo se esvai no arroz com feijão”. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

O ódio no lugar da utopia

Planejamento pode significar um palavrão para liberais e neoliberais, mas a dificuldade, segundo ela, é pensar um guia de ação: “Parece que tudo se esvai no arroz com feijão”. Não há um plano no governo, mas também nos sindicatos – “todos aparvalhados” – e na classe média. “Não sei até que ponto o povo propriamente dito precisa de utopia. Mas a classe média precisa”, afirma a professora. “Não tendo, ela transforma sua mágoa em ódio”.

Segundo ela, quem promove a violência hoje não são os deserdados da terra, para quem as coisas melhoraram. A violência vem da classe média baixa. “Não tem energia utópica, só através da violência. Não tem utopia, só distopias. É só o aqui, agora; quero derrubar isto, quero derrubar aquilo. Não tem um objetivo programático”.

Conceição chama de “manifestações de araque” e acha tudo “coisa esquisitíssima, enlouquecida”. É uma fragmentação que, segundo ela, afeta partidos políticos, sindicatos e todas as demais organizações da sociedade que levaram muito tempo para serem criadas. “Esses garotos de merda vão para o pau pedir o quê?”, questiona, referindo-se aos “máscaras negras”, os black blocs.

Se os garotos de máscaras são “repugnantes”, a imprensa também não diz nada, completa. “Faz uma confusão” e torce “para que haja morte de um menino desses”.

Transição ou apodrecimento?

“Acho difícil saber para onde vamos”, afirma a professora. “O que ocorre hoje pode ser uma transição ou um apodrecimento. Transição não sei para o quê, porque não há uma utopia prévia”.

Conceição se vê diante de uma sensação de impotência, coisa de quem foi uma adolescente na primeira metade do século XX, uma época mais organizada em matéria de proposição.  Hoje, ela admite, parece difícil enxergar causas capazes de servir a tantos interesses fracionados. “Diga-me um autor relevante que não esteja pensando dessa maneira, prostrado pela falta de alternativas? Não há ousadia em nada, pelo menos do ponto de vista do pensar”.

Por isso, diz ela, não gosta de dar entrevistas: “Não quero engrossar o coro de lamentação dos intelectuais”.

A idade do ceticismo

Pode ser a idade, como ela diz, mas nos últimos tempos a professora nunca se mostrou exatamente otimista. Nem com os políticos, nem com os economistas, nem com os intelectuais.

Tive o privilégio de visitá-la três ou quatro vezes em seu apartamento, no bairro de Laranjeiras, no Rio de Janeiro. Sempre com a companhia de um amigo comum, o jornalista Luiz Cesar Faro (o artífice dos encontros, diga-se), as entrevistas destinavam-se a colher depoimentos sobre dois liberais – o economista Eugênio Gudin e o jurista Bulhões Pedreira – e um economista de quem foi discípula, o argentino Raúl Prébisch.

Em todos os encontros era inevitável tentar arrancar da professora análises sobre a conjuntura, o governo de plantão e o embate político-econômico do momento. Nunca faltaram palavrões contra alguns dos adversários e lamentos pelos intelectuais. (Uma vez afirmou que não sabia onde se escondiam os jovens intelectuais capazes de exibir ideias inovadoras).

No Brasil desde 1953, quando desembarcou aos 23 anos de idade e se deixou envolver pelo otimismo brasileiro daquela década e pela intelectualidade carioca, a portuguesa se apaixonou pelo Brasil, pelo sonho de Brasília, pela Bossa Nova e pelo desenvolvimentismo.

Desde então participou de quase todas as polêmicas econômicas, do Brasil e da América Latina. Ajudou a formar diversas gerações de economistas, sendo professora de Dilma Rousseff, José Serra, Pedro Malan e Aloizio Mercadante, entre outros. Foi aluna de economistas de visão radicalmente oposta à sua, como Octávio Gouvêa de Bulhões e Roberto Campos.

Por tudo isso, não é bom presságio ver uma pensadora provocadora e apaixonada enxergar um “futuro amorfo” para a nossa era. O melhor da professora, porém, não é quando ela dá uma de pitonisa. Mas há um alento: ela acha que esse ciclo vai passar – não se sabe quando, mas torce que não seja longo.

Leia o artigo de Maria da Conceição Tavares publicado na revista Insight-Inteligência na íntegra.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,