Publicidade

Posts com a Tag Wanderley Guilherme dos Santos

domingo, 14 de dezembro de 2014 Filosofia do cotidiano, Política | 17:38

Ética não é só um problema dos políticos, mas do cotidiano de todos

Compartilhe: Twitter

Se você é daqueles que se enfurecem ou se entristecem com o insistente tema da corrupção no Brasil, mas não deseja restringir-se à cantilena das obviedades despejada pelo colunismo público moralista, recorra a uma leitura imediata – o novo livro da filósofa Marcia Tiburi: Filosofia prática – Ética, vida cotidiana e vida virtual, lançado recentemente pela editora Record. Esta coluna chegou tardiamente ao livro de Marcia (embora seja a menor das dívidas que mantém com ela), mas faz aqui o reparo.

Embora trate de um vasto universo de temas que dizem respeito ao “modo de viver”, incluindo a indústria cultural da felicidade e nossa relação com a tecnologia e as redes sociais, Filosofia prática é essencialmente um livro sobre ética. Na verdade, “filosofia prática” é o que seria uma boa “tradução para o termo “ética” – a preocupação em relação à nossa vida e à vida em comunidade.

Em seu livro, Marcia Tiburi pensa a ética como ação. Pensamento é um ato, diz a filósofa, buscando sincronizar pensamento e ação. Sincronia esta que, segundo suas palavras, “é o desenho feito de pedras no fundo arenoso do rio da vida cotidiana, onde, apressados, molhamos os nossos pés, onde, menos atentos, nos afundamos até o pescoço sem perceber o que acontece”. Diz mais: “Chamo de Filosofia Prática a fotografia desse rio, ora barrento, ora cristalino”.

Por vida cotidiana ela entende a vida “simplesmente vivida, a realidade partilhada como “naturalidade”. A ética corresponde à pergunta e, ao mesmo tempo, poderia ser a resposta aos problemas humanos do que podemos resumir como convivência. Seja a convivência consigo mesmo, com o outro, com a cultura mais ampla, com a sociedade do espetáculo, todos os problemas enfim do cotidiano – o lugar de “viver junto, de viver “com”.

A filósofa Marcia Tiburi, autora do livro "Filosofia prática": "A pronúncia da palavra ‘ética’ convoca a ser ético aquele que fala". Foto: Divulgação

A filósofa Marcia Tiburi, autora do livro “Filosofia prática – ética, vida cotidiana, vida virtual” : “A pronúncia da palavra ‘ética’ convoca a ser ético aquele que fala”. Foto: Divulgação

Eu comigo, eu com o outro

Daí porque ela faz três perguntas essenciais: 1. Como me torno aquilo que sou? 2. O que estamos fazendo uns com os outros? 3. Como viver junto? Neste último caso se apropria de um belo título de Roland Barthes, a quem recorre também para a epígrafe “Por que não falar a língua de todo mundo?” (mais do que uma epígrafe, é também uma preocupação exposta em todo o livro, a busca por uma escrita sem rebuscamentos excessivos, contorcionismos teóricos e academicismo no mau sentido).

Marcia Tiburi não explicita isso em seu livro, mas a ética do cotidiano que aborda no fundo constitui um debate fundamental para o Brasil contemporâneo, uma vez que o País tem padecido de um vício de origem na discussão sobre política e corrupção.

Explica-se.

Passo a passo, contínua e diariamente, o Brasil vem se acostumando à ideia de que o mal-estar da sociedade decorre da convicção de que as autoridades eleitas para administrar os recursos das comunidades não oferecem serviços à altura do combinado com seus eleitores. Pior: apropriam-se ilegalmente de parte desses recursos públicos. Em bom português: elegem-se por um único e exclusivo e interesse. Porque são um bando de larápios. Todos gatunos. Bandidos.

Daí a suposição coletiva, compreensiva para muitos ingênuos, de que existam normas eleitorais, a serem urgentemente postas em prática, capazes de propiciar uma limpeza irrestrita nas regras e nos costumes políticos. Desse modo – assim supõem “cidadãos de bem”, colunistas públicos, éticos e moralizadores em geral – os prevaricadores serão removidos da vida pública, os recursos estarão melhor administrados, e a política ficará livre de personagens pecaminosos.

Difícil acreditar na existência de regras tão eficientes, a ponto de filtrar a esse nível os cidadãos em geral – incluindo, claro, aqueles que embarcam na vida pública. Como afirmou o cientista político Wanderley Guilherme dos Santos, num artigo publicado no iG há mais de um ano, ainda que existissem regras tão eficientes, “elas não se aplicariam ao outro lado das transações espúrias, isto é, aos corruptores”. No quesito “cidadãos virtuosos”, ressaltou o professor, o Brasil “hospeda sensacional taxa de corruptores”. Cito-o:

Do jovem motoqueiro insinuando uma gorjeta ao policial que o multa por excesso de velocidade ao indignado cidadão que esbraveja contra as instituições políticas, mas, enquanto feliz proprietário de um estabelecimento comercial, oferece modesta propina para que o fiscal ignore as insatisfatórias condições de segurança de incêndio de seu negócio – são raríssimas as exceções à cultura prevalecente no Brasil, segundo a qual é quase sempre possível esconder uma ilegalidade promovendo outra. E não há talvez brasileiro que nunca tenha sido objeto de ameaçadora pressão corruptora por parte dos profissionais liberais – médicos, advogados, dentistas, analistas, etc. – a cujos serviços recorre com frequência, deixando de cobrar-lhes recibos e tornando-se cúmplice de crimes fiscais.”

Nesse caso, lembra Wanderley Guilherme dos Santos, são os corruptos e corruptores que se consideram iguais na demanda por ética na política, e até justificam a violência niilista de alguns grupos em passeatas intimidantes pelas ruas de grandes cidades, comuns em junho do ano passado.

A banalidade do mal

Filosofia Prática Marcia Tiburi Editora Record 320 páginas; R$ 35

Filosofia Prática
Marcia Tiburi
Editora Record
320 páginas; R$ 35

Lembrei-me imediatamente do artigo do cientista político ao ler o livro de Marcia Tiburi, para quem a ética se tornou uma espécie de palavra mágica que teria o poder de “presentificar” a exigência nela contida. Em outras palavras, “(…) qualquer um que diz ‘ética’ põe em ação sua virtude de bumerangue: a pronúncia da palavra ‘ética’ convoca a ser ético aquele que fala. (…) Pronunciando algo como ‘ética’, alguém pode pensar que ela está autorrealizada como profecia; ao falar da falta de ética do outro, há quem acredita tornar-se automaticamente livre da falta de ética que pode estar justamente projetando no outro”.

Uma cultura de corrupção é como uma banalidade do mal, escreve Marcia Tiburi. Em termos filosóficos, o mal banal é a perversidade ao alcance de todos (para quem é curioso e topa filosofia, vale ler ou reler Hannah Arendt e seu As origens do totalitarismo, entre outros; na psicanálise Freud ainda pode ser uma leitura necessária, tanto o mal como “perversidade” quanto o sentido psicanalítico de “perversão”, mas aí é outra história).

O risco é quando nos acostumamos e aprendemos a conviver com o mal. “Somos convidados à corrupção como à máquina de tortura que, como oficiais, somos treinados para operar”, escreve, para mais adiante acrescentar:

“O mal torna-se algo entre nós trivial; não a exceção, mas a regra. No caso da corrupção, entendida como um gesto deliberado e inevitável em tomar para si o que pertenceria de direito a outrem (…), ela se torna um dado estranhamente afirmativo da cultura. O cinismo é elevado a razão social quando pensamos que a corrupção é inevitável. Se hoje podemos nos perguntar ‘quem não seria corrupto?’ é porque entendemos que a corrupção tomou aquele lugar do bem na autoconservação social em geral. A corrupção é a regra. Mal do nosso tempo, ela aparece como uma nova regra de qualquer conduta, uma contraditória ‘moral imoral’”.

Enfim, Marcia conclui: “Da governabilidade aos atos cotidianos, o corrompido mundo da vida, no qual ética e política cindiram-se há muito tempo, transformou-se na sempre saqueável terra de ninguém”.

Talvez a filósofa não tenha percebido a ingenuidade exposta neste trecho acima. Afinal, quando ética e política andaram sempre amalgamadas? Mais do que isso, quando a sociedade, em todas as épocas e em todos os povos, produziram cidadãos apenas virtuosos, tanto para a esfera pública quanto para a privada (da democracia elitista grega, do corrupto Senado romano às democracias contemporâneas, passando pelas políticas do Vaticano em todas as eras depois de Cristo)?

Apesar do breve desvio de rota, a curva argumentativa de Marcia Tiburi em Filosofia prática é permanentemente consistente. Não recai no histerismo de esquerda à la PSOL – que ela apoiou em 2014 – nem no niilismo antipolítica juvenil, próprio das passeatas de junho do ano passado, muito menos no udenismo de direita, versão tucana. algo que não se esperaria dela.

Do vazio de emoção real à realidade virtual

Mais: o foco discutido aqui, a política, revela algo que é sublinhado em maior relevo no livro, porém Marcia jamais ignora o que é a essência de uma “filosofia prática”, ou uma ética para o cotidiano: um debate sobre como nos tornamos quem somos, o que estamos fazendo com nós mesmos e como estamos vivendo uns com os outros. Por essa razão seu livro aborda de maneira igualmente criativa outros temas que correm paralelamente à política.

Como o vazio de emoção – ou a epidemia de melancolia e depressão, que contraditoriamente (ou previsivelmente) ocorre no mesmo compasso da força crescente de uma indústria cultural da felicidade (ou da obrigação de ser feliz).

Questionando a ideia da solidão como doença e a alegria transformada em mercadoria, nesse terreno, felizmente, Marcia Tiburi se esquiva da medida fácil adotada por alguns de seus pares: o combate aos prazeres. Nada disso. Para ela, os prazeres podem ser libertadores. O importante, afirma, é pensar em como os prazeres são inventados com a intenção de capturar “consumidores” pelo desejo de terem prazeres. Quais deles nos aprisionam? Quais realmente nos libertam? – ela questiona.

A filósofa também não rejeita outro tema que aborda no livro, as redes sociais – acompanhe seu Twitter e seu Facebook e saberá que ela é ativa nesse terreno. Quando trata do cotidiano virtual, o que mais lhe interessa é discutir como nossa vida está desdobrada nessa nova “realidade”, como uma prótese da própria existência – a vida “digital” como simulação que faz decrescer a “realidade real”.

Um debate que merecia uma pensata à parte, pois incorre num desvio comum a muitas reflexões: tende a minimizar fenômenos e constatações como:

a) a tecnologia afasta, mas também aproxima indivíduos, e mais encontros reais ocorrem graças à… tecnologia;

b) avatares e máscaras são apenas formas contemporâneas de obscurecer nossas personas reais, nada muito diferente do que personagens mais oblíquos (do mundo real ou da literatura) faziam para omitir o que desejavam omitir;

c) fantasiamos “virtualmente” tanto quanto casais que acabam de se conhecer “olho no olho”, “realmente”, projetando suas expectativas, desejos e fantasias no outro que esperam conquistar.

Essa é a riqueza do livro de Marcia Tiburi – abrir caminho para variadas e complexas reflexões. De uma importante luz para os conflitos éticos na política à reflexão sobre pequenas coisas da vida cotidiana, a vida anestesiada, angustiada, banalizada, cheia de marasmo ou de pequenas grandes alegrias – a “vida besta” de que falava Carlos Drummond de Andrade em seu “Cidadezinha qualquer”, que ela graciosamente cita numa nota de rodapé:

Casas entre bananeiras
mulheres entre laranjeiras
pomar amor cantar.
Um homem vai devagar.
Um cachorro vai devagar.
Um burro vai devagar.
Devagar… as janelas olham.
Eta vida besta, meu Deus.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 23 de outubro de 2014 Política | 13:52

Uma nova jabuticaba a propor para Dilma e Aécio: um marco regulatório das conquistas sociais

Compartilhe: Twitter

Eis aqui uma imodesta sugestão aos eleitores indecisos, aos partidários do PT e do PSDB, aos formuladores de seus programas de governo e, claro, aos próprios candidatos Aécio Neves e Dilma Rousseff: leiam o artigo O marco regulatório das conquistas sociais – A jabuticaba e o ajuste dos rentistas, de Luiz Cesar Faro e Rubeny Goulart. Ocupa 13 páginas da última edição da revista Insight-Inteligência, cuja versão em blog é parceira do iG.

Como o próprio título revela, o artigo propõe um marco regulatório das conquistas sociais: a criação, para o próximo governo, de metas sociais a serem perseguidas paralelamente à saúde macroeconômica. Um tripé social ao lado do badalado tripé macroeconômico.

capa66Bons na forma e no conteúdo, os autores sugerem inverter a ordem do modelo vigente no Brasil. Nele, as variáveis fiscal, monetária e cambial, além da gestão microeconômica, se adequariam à preservação das conquistas sociais, e não o contrário. (Com razão, eles entendem como conquista social uma inflação controlada em patamar razoável, no nível, por exemplo, das metais atuais.)

O artigo parte do pressuposto do cientista político Wanderley Guilherme dos Santos, para quem “vivemos em um mundo de antipatia pelo social”, para defender a necessidade de construir um modelo de social target, “sistematizá-lo, protegê-lo e regulamentá-lo à luz das premissas dadas”.

Antes que as gralhas gritem, não se trata da constitucionalização de certos benefícios, repetindo o engessamento do que foi feito em 1988 com o contingenciamento de recursos no orçamento, tornando imutáveis certas prioridades. Também convém esquecer o superficial e rarefeito debate restrito à manutenção ou não do Bolsa Família. Bobice. A questão social brasileira é muito mais profunda.

O artigo é, acima de tudo, uma defesa ardente do que se convencionou chamar de “democracia social”, mas que no texto da revista ganha o epíteto de “economia da democracia social” – segundo a dupla de autores, “algo mais tenro, ainda em busca de sistematização, pertencimento e proteção”. Para eles, o principal benefício dessa economia humanizada “é a combinação entre aumento do bem-estar do povo, distribuição de renda e fortalecimento da democracia”.

Acrescentam: a economia da democracia social é um modelo híbrido, capaz de integrar “suaves matérias-primas da social-democracia de inspiração nórdica com espesso molho de jabuticaba, carregado de políticas de inclusão social, sobre as quais estão assentados o crescimento do salário mínimo real, taxas de desemprego baixas e um processo crescente de distribuição de renda, todos sem perder de vista o imperativo de um controle da inflação em um nível satisfatório”.

Uma nova métrica para avaliar a economia

A dupla lembra a inexistência de hoje de um índice ou coeficiente desta cesta de conquistas sociais calculado até os dias de hoje, embora proliferem métricas sobre felicidade e satisfação. Se existisse, o Brasil estaria em posição bem melhor do que os famosos rankings de competitividade global e, claro, os rankings globais de crescimento do Produto Interno Bruto.

Explica-se: dados oficiais apoiados exclusivamente em soma de riquezas (como o PIB), produtividade e eficiência econômica (competitividade global) torturam a realidade ao ignorar, por exemplo, melhorias significativas na remuneração da população (de baixa e média renda), na proteção social e na redução da desigualdade.

Tome-se o PIB, por exemplo. O Brasil sangra diante de países como Panamá, Bulgária, Paraguai, Haiti e Nicarágua, para citar os verdadeiros “tigres latino-americanos”. De acordo com as agências de classificação de risco, estamos na vice-lanterna, somente acima da Ucrânia. Grécia, Portugal e Espanha caíram menos no ranking que o Brasil, sublinha o artigo, e por isso devem estar muito felizes, todos com salários decrescentes, desemprego na casa dos 12%, pobres procurando fontes de renda como quem busca oxigênio e juventude desesperançada.

Enquanto isso, o Brasil do PIB magrinho e sofrível (mesmo mantendo-se como o sétimo PIB do mundo) se vê com a taxa de desemprego abaixo de 5%, algo notável até mesmo para os mais elevados padrões mundiais de pleno emprego. Em nove anos, como lembra a insuspeita Fundação Getulio Vargas, os 60% mais pobres da pirâmide social cresceram seis pontos percentuais na renda nacional, enquanto os 1% ais ricos, apenas um ponto – algo revolucionário.

Entre os famosos Brics, o Brasil foi o único a não exibir números exuberantes em matéria econômica que o “mercado” adora (crescimento alto e inflação baixa), mas foi o único que conseguiu ampliar a distribuição de renda, segundo estudo da igualmente insuspeita OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

O mesmo estudo avaliou o enigma da superprodutividade dos países da Ásia e da Região Oceânica do Pacífico. Na maioria deles, o grande crescimento econômico não foi transformado em distribuição de renda e políticas sociais relevantes. Já vimos esse filme antes nos plúmbeos anos do milagre econômico brasileiro – aqueles em que a economia ia bem, e o povo ia mal, nas palavras do ex-presidente Emílio Garrastazu Médici.

O marco regulatório

Faro e Goulart propõem um bicho de sete cabeças: um índice de crescimento necessário para a proteção dos avanços obtidos por meio da economia da democracia social. Seria algo como o “PIB de equilíbrio para manutenção das políticas sociais”.

A dizer: “a soma de riquezas capazes de atender as despesas com o crescimento do salario mínimo real, a taxa de desemprego próxima do pleno emprego e a distribuição de renda com inclusão social, além da poupança dirigida às necessidades de sempre voltadas ao crescimento do capital”. Em outras palavras, como diz a professora Maria da Conceição Tavares, não se trata mais de PIBão, nem de PIBinho, mas sim, o PIB no qual caibam as exigências de uma sociedade mais justa.

Como os autores afirmam, uma proposta com gosto de limonada amarga para os rentistas mais inveterados. Fica o desafio: criar uma métrica que incorpore esse tripé da economia da democracia social na soma das riquezas totais. Para quem gosta de pensar em inglês, substituir o alquebrado development target de hoje pelo social target, que perseguiria o tríptico do salário em alta, distribuição de renda e baixo desemprego.

Campanha eleitoral arrogante e sem criatividade

A ideia traz um pouco de inventividade à reta final de uma campanha que padeceu da falta de luz criativa. “Nos programas de campanha eleitoral”, lembram eles com propriedade, “o que se tem ouvido, invariavelmente com exuberante arrogância, é que tudo se cala em face da irrefutabilidade e da imponência do tripé da política macroeconômica – sistema de metas ide inflação, câmbio flutuante e uma política fiscal compatível com a sustentabilidade da dívida pública – e que o social será aquele que couber no fiscal”. Um determinismo da economia política asfixiante para quem considera que as políticas devem estar voltadas para que a população viva melhor.

A democracia social, conclui o artigo, do ponto de vista de quem governa, antes de ser ideológica, está no terreno da sabedoria política. À coluna, informa Luiz Cesar Faro: o artigo se dirige ao PT e ao PSDB. Vale para um futuro segundo governo Dilma, ou um novo governo Aécio. Serve para quem abraçar a causa do marco regulatório das conquistas sociais e perceber, com sensibilidade, que bem-estar dá voto.

Em tempo: para ler e degustar na íntegra as ideias e o primor do texto de Luiz Cesar Faro e Rubeny Goulart, acesse aqui.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , ,